IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia
TV Rádio Notícias Interatividade

Bando de Teatro Olodum e blocos afro abrem Novembro Negro no TCA

Novembro Negro

Boquinha – Foto – Fabricio Rocha

Em temporada comemorativa no Teatro castro Alves até 10 de novembro, Bando de Teatro Olodum apresenta nesta sexta-feira (1º/11) um espetáculo especial para marcar a abertura da programação do Novembro Negro. Sábado e domingo, o grupo continua encenando a montagem Erê e o infantil Boquinha … E assim surgiu o mundo.

Na próxima sexta-feira, dia 1º de novembro, às 19h, a sala principal do Teatro Castro Alves (TCA) será palco da abertura oficial do Novembro Negro, mês emblemático da luta pelos direitos da população negra. O evento tem como atração principal o Bando de Teatro Olodum e seu espetáculo “Tempos Negros: a legítima viagem”, com roteiro de Elísio Lopes Jr. e direção de Lázaro Machado. As participações especiais ficam por conta da cantora Majur, dos blocos afro Ilê Aiyê, Olodum, Malê Debalê, Bankoma, Os Negões, além da Banda Erê e Banda Didá. As apresentações serão antecedidas de intervenções artísticas no foyer do TCA. Ingressos a preço popular: R$1 (inteira) e 0,50 (meia).


Erê e Boquinha
O Bando de Teatro Olodum continua em temporada comemorativa pelos 30 anos de criação do grupo que serão completados em outubro de 2020. Nesta sexta e sábado, o Bando apresenta na Sala do Coro do TCA o espetáculo Erê, que tem concepção de Lázaro Ramos e direção de Onisajé e Zebrinha, além do infantil Boquinha… E assim surgiu o mundo, que tem texto de Lázaro Ramos e direção e atuação de Ridson Reis.

Erê aborda o genocídio da juventude negra, com a linguagem e performance do Bando de Teatro Olodum, direção de Onisajé e Zebrinha, dramaturgia de Daniel Arcades, direção musical de Jarbas Bittencourt e coreografia de Zebrinha. Erê ficará em cartaz de sexta a domingo, 20h, até 10/11 – exceto 1º/11.

A montagem é inspirada no espetáculo Erê pra toda a vida/Xirê, criado pelo próprio Bando de Teatro Olodum, sob direção de Márcio Meirelles, em 1996, com apresentações apenas no Rio de Janeiro e São Paulo, e uma turnê por Londres, sem nunca ter sido apresentada em Salvador. A nova montagem é mais política e questionadora, e traz à tona as diversas chacinas que tiveram como alvos jovens e crianças negras.

O infantil Boquinha… E assim surgiu o mundo, escrito por Lázaro Ramos, é o primeiro solo de Ridson Reis, que também assina a direção.Na peça, Lázaro Ramos promove o encontro do pequeno João Vicente, personagem central da trama, com as diversas perspectivas de surgimento do mundo. Fazendo refletir, de forma lúdica, sobre o respeito às diferentes opiniões, crenças e credos. Boquinha… E assim surgiu o mundo será apresentada sábados e domingos, 16h, – de 02 a 10/11, na Sala do Coro do TCA. Já nos dias 19, 20, 27 e 28 de novembro, também 16h, o infantil será encenado no Teatro Vila Velha (Passeio Público).

#Bando30anos
As três décadas de trajetória no cenário cultural brasileiro serão celebrados com uma série de ações que inclui a montagem de um texto clássico do teatro mundial; lançamento de um catálogo da história do grupo; oficinas de performance negra na periferia da cidade; edição especial do Festival de Arte Negra A Cena Tá Preta e temporada de espetáculos de sucesso, como Ó Paí, Ó; Áfricas e Cabaré da Rrrrraça.

Nestes quase 30 anos, além de Lázaro Ramos, outros artistas que integraram as montagens do Bando de Teatro Olodum atualmente brilham em diversas linguagens artísticas nacionais, como o ator, cantor e humorista Érico Brás (Zorra, PopStar e Se Joga), as atrizes Luciana Souza (Bacurau) e Edvana Carvalho (Malhação), a cantora lírica Virginia Rodrigues, entre tantos outros.

O elenco atual reúne representantes das novas gerações das artes negras em diálogo com artistas experientes, inclusive alguns fundadores, ou seja, que estão no grupo desde 1990. É o caso de Jorge Washington, Rejane Maia, Valdinéia Soriano, Rivaldo Rio, Geremias Mendes, Arlete Dias e Ednaldo Muniz.

HISTÓRICO – Em 17 de outubro de 1990, nasceu em Salvador o Bando de Teatro Olodum, fruto de uma parceria entre o Grupo Cultural Olodum e artistas do teatro baiano (Márcio Meirelles, Chica Carelli, Maria Eugênia Millet e Leda Ornelas), convocando artistas negros, alguns sem experiências com as artes cênicas, outros com histórico de militância política e cultural na periferia da cidade. A motivação principal do Bando sempre foi a valorização das artes negras e a denuncia contra o racismo e os diversos preconceitos da sociedade, que se consolidou em uma experiência de performance negra referência para outros artistas e companhias do Brasil. Atualmente a companhia possui uma coordenação colegiada, formada por atores, que atuam também como produtores, e os diretores artísticos Zebrinha  e Jarbas Bittencourt.

SERVIÇO
Bando 30 anos
O quê: “Tempos Negros: a legítima viagem”, espetáculo de abertura do Novembro Negro 2019, com Bando de Teatro Olodum, Majur e blocos afro.
Dia 1º de novembro (sexta-feira), às 19h.
Sala Principal do Teatro Castro Alves (TCA)/Salvador-BA.
Preço popular dos ingressos: R$1 (inteira) e 0,50 (meia)
Realização: Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) do Governo da Bahia

 

Temporada do Bando de Teatro Olodum na Sala do Coro do TCA

 

ERÊ (espetáculo adulto)

De 18/10 a 10/11* (de sexta a domingo) , 20h *Exceto dia 1º/11

Concepção: Lázaro Ramos

Texto: Daniel Arcades

Direção: Onisajé e Zebrinha

Direção Musical: Jarbas Bittencourt

Ingressos: R$30,00 / R$15,00 (meia)

 

Boquinha… E assim surgiu o mundo (espetáculo infanto-juvenil)

De 02 A 10/11 (sábados e domingos), 16h

Texto: Lázaro Ramos

Direção e Atuação: Ridson Reis

Co-direção e Trilhas: Roquildes Júnior

Ingressos: R$20,00 / R$10,00 (meia)

 

Classificação dos espetáculos: livre
Com Áudio-descrição

Ingressos: Ingresso rápido e na Bilheteria do TCA.

 

Informações para Imprensa: André Luís Santana (71. 98873-7047 / 99205-5179 – what´s app)

Tags: ,

Deixe um comentário

 
Governo da Bahia  ©2019 | IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia. Secretaria da Educação do Estado da Bahia.