IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia
TV Rádio Notícias Interatividade

Por Jamile Sodré

Leiam aqui, mais um post de Jamile Sodré, aqui na coluna Moda no Mundo Afro.

Os gêneros musicais são inspirações para a moda e vice e versa. Alguns artistas ditam moda e são verdadeiros ícones da beleza, comportamento e estilo. Um desses gêneros musicais tão inspirador é o samba. Samba de raiz, de roda, de quintal, etc. Reduto de grandes personalidades.

Peço licença a realeza em pessoa, Rainha do partido alto, “Rainha Ginga”, Quelé, Clementina de Jesus, carioca, emocionante cantora, que com seu timbre de voz inesquecível representava não só o samba mas o jongo Benguelê1, como ela mesma o denominava, e ainda corimas2, cantos de trabalho 3.

           O jongo tem que ter,

Ter dançadeiro pra valer, tem

No baticum Tem que ter, que ter que rodar, tem que ter

A roda vai crescer

E o povo vai fazer fuzuê

Que nem seu Exu-kêkêrêkê.

Tem que ter Sá-moça catita

Tem que ter a voz de vovó de Vassuncê

Tem que ter um canto nagô,

Tem que ter um de Ioruba, tem que ter

Saravá pro seu Benguelê.

(fragmento de Sérgio Santos e Paulo César Pinheiro)

Licença minha diva pra falar de “vosmicê“.

Nascida na comunidade do Carambina, Rio de Janeiro, se mudou ainda jovem pra o bairro de Oswaldo Cruz. Determinada a brilhar, começou sua carreira somente aos 63 anos, pra alguns pode parecer tarde, mas Clementina soube em um curto tempo mostrar sua estrela. Seu talento foi ” descoberto” pelo compositor Hermínio Bello de Carvalho ( na foto com Clementina) em 1963, levando a participar do show “Rosa de Ouro”.

Apesar de ter visto de perto o surgimento da escola de samba Portela, a sua escola do coração era a Mangueira e a cantava com amor e paixão. Vítima de um derrame, a diva faleceu em 1987. Contudo sua voz não se cala.

E seu estilo nos inspira. Uma de suas características estética era seu turbante. Além dele, utilizava nos seus shows: vestidos brancos de renda ou algodão assinturados e às vezes usava colares, brincos e pulseiras de pérolas.

Pérolas são sinônimos de elegância, prestígio e glamour, principalmente na década de 50, nos tempos atuais são utilizadas em diversas ocasiões. Com um ar romântico faz a composição com os vestidos assinturados de mangas tipo princesa ou bufantes.

 

Rendas inglesas (que na verdade são as rendas originárias de diversos países da Europa) ou brasileiras (mais conhecidas como renda do norte, renda do Ceará ou renda da terra). Bordadas manualmente pelas artesãs locais, valorizando assim nossa cultura.

O turbante, sendo mais popular na moda na década de 60. Sua origem é desconhecida, mas para a religião afrobrasileira, o Candomblé, o turbante (Ojá) tem grande importância ritualística, pois resguarda o Ori 4.É também usado por diversos grupos culturais ligados a cultura negra, como  por exemplo, o Ilê Aiyê.

Podendo ser de cor branca ou colorido e de diversos formatos. Durante o São Paulo Fashion Week 2008, o então ministro da cultura Gilberto Gil, usando um terno preto da grife italiana Prada, deu a seguinte declaração ” Prada não é nada superior a um turbante do Ilê Aiyê”.

 

Para leitura desse artigo sugiro algumas músicas pertinentes ao tema.

 

Músicas Sugeridas cantadas por Clementina de Jesus:

 

Músicas Sugeridas cantadas pelo Ilê Aiyê

Clipe que mostra a Diva Chrisette Michele com seu lindo turbante:

E ainda aprenda fazer turbante:

http://pimpymakeup.blogspot.com/2010/07/blog-post.html

 

Fontes:

  • Entrevista de Gilberto Gil- Correio da Bahia janeiro 2008, reportagem de Gabriela Cruz;
  • Biografia sobre Clementina de Jesus- Site Wikipédia, a enciclopédia livre.
  • Como Fazer Turbante- Pimpy Make Up
  • Moda da Pérola – blogdamulher.com
  • Renda – http://pt.wikipedia.org/wiki/Renda_(tecido)
  • Turbantes – http://pt.wikipedia.org/wiki/Turbante

Fotos: arquivo.

1-manifestação cultural afro-brasileira, também conhecido como Caxambu, é uma forma de expressão que integra percussão de tambores, canto e dança. O Jongo/Caxambu, presente no Sudeste brasileiro, fez o caminho do café e da cana-de-açúcar, praticado pelos negros de origem bantu, trabalhadores escravizados nas lavouras da região.

2- corimás – similar a caxambu, uma dança dos negros, espécie de batuque ao som do tambor.

3- canto de trabalho – melodias entoadas por pessoas que trabalham em locais fixos.

4- Ori- denominado cabeça em Yorubá, língua de Origem Africana.

 

*Jamille Sodré, Designer de Moda & Produtora de Moda. Sócia – Designer da Bettume, Moda de Estilo.

 

+contato: www. jamillesodre.blogspot.com

 

Tags: , ,

3 Comentários para “A ROUPA DA RAINHA É COSTURADA COM RENDA E BRILHO”

  1. Elva Nogueira disse:

    Bom dia gostaria de conseguir contatos para revenda de algumas roupas de renda que vi no seu site. Parabens, que Deus te abençoe.
    Aguardo retorno. Elva

  2. Sophia disse:

    Olá adorei a matéria. Mas gostaria de saber a origem do Jongo. Aguardo sua resposta. Sophia

Deixe um comentário

 
Governo da Bahia               ©2020 | IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia. SECOM - Secretaria de Comunicação Social