IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia
TV Rádio Notícias Interatividade

Vamos gozar a vida, o PONTO G está de volta!

Não precisa ter vergonha, sabemos que vocês sentiram falta daquele espaço, sim… aquele espaço bem íntimo do SOTERÓPOLIS…o PONTO G! Pois é, ele está de volta! Ficamos um mês por aí dando pinta e caçando bof…, quer dizer, pautas…mas a gente precisava desse leve close. Inclusive, pra seguir discutindo vários assuntos ligados ao Universo LGBT, não é mesmo?

E a dica de hoje é: Uma bixa cult vale mais que duas voando…

Nós voltamos com tudo! Mas agora é hora de falar sério.. vamos discutir sabe o quê?? A LITERATURA GAY.


A literatura de temática *LGBTTTIs é um gênero marginal, porque representa o universo de uma minoria social, assim como a literatura de temática feminista ou negra, por exemplo.

Há quem diga que não existe literatura gay, e sim gays fazendo literatura. Há também quem diga o oposto, o misturado, enfim.  O fato é que está tudo embaralhado. A única coisa certa, é que o público não é certo, e pode ser qualquer um: hetero, gay, engenheiro, criança, doméstica, presidenta, negro, branca, pra quem ta no armário, pra quem acabou de sair, pra quem pensa em entrar..etc..etc..etc…enfim.

Por isso, fomos investigar a essência dessa literatura que, especulações à parte, é fundamental para a população homoafetiva; primeiro porque traz uma visibilidade para o universo, até hoje, depreciado. Além disso, coloca os gays numa condição de agente criativo.

Todo mundo acha que os homossexuais só querem ser respeitados. Respeito é pouco! Porque os homossexuais querem ser vistos também como cidadãos, produtores de cultura e arte. Eles querem ir e vir, deitar e rolar. E a literatura ajuda um pouquinho nisso. Sabe como ? Veja a matéria hoje/amanhã no Soterópolis, é só ligar sua TV no canal 2, às 22h.

 

Veja a matéria na íntegra no nosso canal no youtube Ponto G – Literatura Gay

 

Gostou, mas não sabe por onde começar? O Soterópolis indica alguns livros pra você:

Carta a Bosie (Epístola) – Oscar Wilde

Devassos no Paraíso (Ensaio histórico sobre os gays no Brasil) – João Silvério Trevisan

Ovo Apunhalado (Contos) – Caio Fernando Abreu

Bom Crioulo (Romance) – Adolfo Caminha

De amor, Desamor e uma pitada de sal (Poesia)– João Figuer

O Terceiro Travesseiro (Romance) – Nelson Luiz de Carvalho

Balé Ralé (Contos) – Marcelino Freire

A imitação do amanhecer (Romance) – Bruno Tolentino

O Teatro dos Anjos (Romance) – Dirceu Cateck

Bóris, meu amigo gay (Romance) – Hugo Porto

Diário de Rafinha (Romance) – Léo Dragone

De Profundis (Romance – Ensaio) – Oscar Wilde

Rasif (Romance) – Marcelino Freire

Você ainda pode encontrar trabalhos com essa temática em algumas obras de Elizabeth Bishop, Leiluska, Leandro Benevides, Àllex Leilla, Samuel Rawet, João do Rio, Mario de Andrade, Fernando Pessoa, André Gide, Glauco Mattoso e etc..

Você também pode mandar suas sugestões, reclamações, elogios, bate cabelagens e gongações para:pontogmulticultura@gmail.com
*Pra quem sempre teve curiosidade, “LGBTTTIs” significa “Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Trangêneros, Intersexuais e simpatizantes”. Não troquem as bolas!

Até a próxima!

 

Deixe um comentário

 
Governo da Bahia  ©2019 | IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia. Secretaria da Educação do Estado da Bahia.