IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia
TV Rádio Notícias Interatividade

Histórico de novembro de 2012

nov
29

Iguais nas diferenças

Postado por soteropolis

Foto: Edivalma Santana

É tão bom saber que por mais parecido que se possa ser com alguém, nem mesmo quem nasce gêmeo é totalmente igual. Esta condição de ser humano único, essencialmente “inxerocável”, é o que fica, pra mim, de aprendizado mais forte do SOTERÓPOLIS especial que vai ao ar nesta quinta-feira, dia 29/11.

A gente reuniu uma galera de diferentes áreas para discutir questões como discriminação e preconceito. O assunto parece repetitivo, mas ainda se faz necessário por questões das mais diversas. O bate-papo foi quente e vários enfoques foram destacados. Miscigenação, IBGE, branquitude e tantas outras abordagens foram tema desta roda que resgata de momentos históricos importantes da nossa formação étnica até as polêmicas contemporâneas, a exemplo do vídeo do Morgan Freeman que afirma, na opinião dele, ser desnecessário um mês da consciência negra.

Há quem fale, há quem cale, há quem negue, há quem afirme, há quem concorde, há quem discorde, mas, infelizmente, há. O diálogo é uma possibilidade de caminho para mudar as nascentes de toda e qualquer natureza de preconceito e discriminação. Ângelo Flávio, Liv Sovik, Nilo Rosa, Vilson Caetano, Marluce Macêdo e Antônio Godi foram os nossos convidados.
A indignação nos atualiza o olhar com  alguma dose de estranheza pra que na correria do dia a dia a gente encontre pausas para pensar.  Eu acredito – e sonho –  que nós  podemos ser iguais nas nossas ricas e lindas diferenças. Que assim, um dia, seja!

Vocês não podem perder tudo o que saiu desta roda!! O nosso encontro está marcado, pontualmente, às 21h. Até lá!!

Escrito por Vania Dias

nov
28

Aqui ninguém é branco

Postado por soteropolis

Inspirados pelo sugestivo título do livro de Liv Sovik, “Aqui Ninguém É Branco”, comemoramos o mês da consciência negra no Soterópolis dessa quinta-feira. Como ainda precisamos, infelizmente, debater assuntos como discriminação e preconceito racial no nosso mestiço país, recebemos no nosso estúdio, no bairro da Federação, importantes nomes para batermos um papo sobre esse distúrbio que ainda impede gente de bem de viver melhor. Entre eles, a autora do livro já citado, Liv Sovik. Este mestiço que vos escreve saiu da gravação com a seguinte pergunta: até quando teremos que falar sobre isso?

Capa do livro Aqui Ninguém É Branco

Sinopse: Através do estudo de lugares-comuns na música popular brasileira, ‘Aqui ninguém é branco’ propõe releituras do cosmopolitismo brasileiro, do corpo dançante como emblema da nação, da marca deixada pelos escravos e da ligação entre branco e negro no cotidiano. Discute as maneiras em que, na grande imprensa, o branco é valorizado e a experiência americana de relações raciais é tratada como ameaçadora e radicalmente diferente da brasileira.

Escrito por Ricardo Castro

nov
22

O coreógrafo Anderson Rodrigo é destaque no quadro Perfil do Soterópolis

Postado por soteropolis

 

Anderson Rodrigo

 

Anderson Rodrigo é diretor, coreógrafo, produtor e iluminador. Iniciou os estudos em arte no ano de 1998 no projeto “Viver com Arte”, com os professores: Jairo Laranjeiras e Denílson José. Formado pelo Curso Técnico em Dança pela Escola de Dança da FUNCEB em 2005, participou como bailarino de dois intercâmbios na França.Em 2001, integrou o corpo de baile da “Orquestra Popular da Bahia” sob a direção musical de Emília Biancardi e direção coreográfica de Carlos Morais. Também em 2001 também atuou como bailarino profissional para vários coreógrafos de renome nacional como: Rita Rodrigues, Paco Gomes, Jefferson Ramos, Jair Silva, Matias Santiago, Sônia Gonçalves, Jorge Silva, dentre outros. Anderson Rodrigo está envolvido também com os projetos “Sexta Cênica” e “Tabuleiro da Dança”, “Dançando Nossas Matrizes” e “AbriU Dança na Bahia”. Em 2002/2003, estudou iluminação cênica. Na sua luta para solidificar uma carreira profissional, dirige e coreografa a Áttomos Cia de Dança desde 2001. O apresentador do Soterópolis Ricardo Castro conversou com Anderson Rodrigo, com o bailarino Joffre Santos e com o coreógrafo Jorge Silva, pai de Anderson.

Conheça mais sobre a Áttomos Cia de Dança. Acesse http://www.attomosciadedanca.blogspot.com.br .

 

(more…)

nov
14

Entrevista com Denise Correia

Postado por soteropolis

Salve soteropolitanos, baianos, brasileiros e terráqueos ligados na rede nossa de cada dia! No programa dessa semana eu tive o enorme prazer de bater um papo regado à muita música com a cantora e atriz Denise Correia. Dona de uma voz poderosa de timbre emocionante, ela nos conta na entrevista como foi que deixou a carreira de advogada para se tornar cantora e também como é ser mulher negra e artista na nossa pátria amada Brasil. Terra de tantas mulheres, negras e cantoras que, com certeza, se identificaram com as palavras de Denise. Eu que não sou mulher, nem negra, nem canto com tamanha força e beleza, saí do nosso encontro com uma certeza: o talento de Denise é um brado retumbante!

Denise Correia

Clique no link e assista a nossa entrevistada em ação! Denise Correia e Banda NaVeiaDaNêga

 
Escrito por Ricardo Castro

nov
13

Cemitério – lugar inusitado de gravação

Postado por soteropolis

Gravamos o nosso SOT no Campo Santo! Ai, ui!! Confesso que na hora em que chegamos eu senti um calafrio, um medo, uma sensação estranha, mas depois a arte foi conquistando o seu espaço e  eu senti uma naturalidade maior com o lugar. Ter contato, ao mesmo tempo – perto e distante – com a despedida, com o luto e com a finitude faz a gente valorizar ainda mais a vida! Conversar com Jane Palma, uma museóloga cheia de motivação e alegria, sobre o Circuito Cultural Campo Santo, e saber um pouco mais sobra a história dos museus a céu aberto e da arte cemiterial foi, pra mim, uma grande experiência.

Jane Palma e eu

Em diversos pontos turísticos do mundo, os cemitérios e as suas obras artísticas fazem parte dos roteiros de visitação. O cemitério de Père-Lachaise, em Paris; o de La Recoleta, em Buenos Aires; o cemitério de Gênova, de Milão e outros tantos. Aqui na Bahia, a gente tem no Campo Santo  o local de maior expressão da chamada “Arte Silenciosa”. Enquanto Ricardo entrevistava a atriz Felícia de Castro sobre o seu espetáculo “Rosário”, ela nos presenteia com uma breve performance do seu monólogo. Eu fiquei de longe a observar como este mesmo cenário ganha novas significações quando a arte se ocupa e faz dali palco. Este lugar c-e-m-i-t-é-r-i-o que, culturalmente, aprendemos a rejeitar por tocar em nossas dores, trouxe-me uma nova experiência estética. Um local que guarda não só a matéria, mas a memória de tanta gente, ganha em mim um novo sentido. Um olhar de menos receio por um outro mais alegre e mais artístico.

Entrevista de Ricardo com Felícia de Castro

Bem, a gente se encontra com tudo isso, na quinta-feira que vem!! Vamos sonhar, desmoderadamente, e viver com paixão!!! Vou nessa, “lightmente”, que é hora de novas emoções! Até semana que vem!!

Escrito por Vania Dias

nov
12

Entrevista com Felícia de Castro

Postado por soteropolis

No programa inédito desta semana, uma de nossas entrevistadas foi Felícia de Castro, atriz do monólogo ROSÁRIO. O espetáculo é um solo que une o canto, o teatro e a dança, numa fábula pessoal de mulheres, deusas e animais, preparada na forma de um ritual. Através de canções e explosões de textos, a atriz traz à cena um rosário de mulheres em uma única prece. Tivemos o prazer de presenciar um pouco dessa experiência durante sua performance para o Soterópolis. A entrevista completa você assiste nesta quinta-feira (15/11), pela TVE. Não perca!

TODO MUNDO REI E RAINHA DE SUA PRÓPRIA HISTÓRIA!

Veja o mini documentário feito por Felícia e conheça as ações e elementos que povoaram o imaginário da obra durante o seu processo de criação.

Espetáculo Rosário – processo de criação, cenas do espetáculo, depoimentos do público

 

 

nov
1

Viva Barroquinha!

Postado por soteropolis


O tradicional bairro da Barroquinha, localizado no coração do Centro Histórico de Salvador, ainda traz muito charme para a capital baiana. Apesar da degradação de alguns pontos do local, devido ao abandono das políticas públicas, a Barroquinha consegue manter-se viva, sustentando, com muito sacrifício um dos seus maiores legados: o comércio da região, basicamente formado pela venda de roupas e artigos de moda.

Ainda é possível encontrar na Barroquinha e na Avenida J.J Seabra (mais conhecida como Baixa dos Sapateiros) um comércio efervecente, mesmo com a construção dos diversos shoppings em Salvador que convergem um grande número de consumidores que buscam o conforto e a segurança do mercado “in door”.

A diversidade das mercadorias, os preços bem abaixo do mercado e a expontaneidade dos vendedores contribuem para que as pessoas não esqueçam a tradição mercadológica da região da Barroquinha e adjacências. Por ser rota diária de muitas pessoas, o movimento nunca foi pequeno e isso fortalece também o comércio do bairro, que tem como um dos principais expoentes, a venda de artigos de couro.

Mas por ser um comércio popular, cujo as lojas, muitas vezes, colocam suas peças em balaio e utilizam parte de suas calçadas para exibí-las, muitas pessoas tem vergonha de assumir que compram roupa na Barroquinha, “tirando onda” que são de shoppings. Isso virou até tema de um pagode baiano, sendo reforçado por alguns lojistas o consumo da classe média.

De qualquer forma,  a tradição das lojas de moda, principalmente, femininas no bairro da Barroquinha continua firme e forte. A céu aberto, sob os pés de Castro Alves e dividindo fronteiras com a Baixa de Sapateiros, imortalizada na música de Ary Barroso, a Barroquinha continua sendo uma referência para o mercado popular de Salvador.

nov
1

Ritos de Passagem – Segundo longa de animação de Chico Liberato conta a história de Lampião e Antônio Conselheiro

Postado por soteropolis

O segundo longa-metragem de Chico Liberato mantém a tradição do artista em retratar a cultura popular. O filme Ritos de Passagem conta as aventuras de dois personagens fundamentais na história do sertão e do sertanejo – Lampião e Antônio Conselheiro.

O traçado simples, em estilo naif de Liberato, dialoga muito bem com a saga do povo brasileiro. A simplicidade do traço, opção estética do autor, abre espaço para que a narrativa ganhe destaque.

O filme exibido durante a 8ª edição do Panorama Internacional Coisa de Cinema é o terceiro curta brasileiro de animação. Chico que divide o ofício de diretor de cinema e artista plástico diz que já tem planos para o futuro. A ideia é resgatar a história de fundação do Brasil. Desenhar e animar tribos indígenas, o tráfico de escravos e a colonização portuguesa até desembocar nos dias atuais, cujo símbolo maior de encontro cultural é o carnaval.  O negócio é aguardar!

nov
1

JARDS – Documentário sobre o processo cirativo de Jards Macalé estreou no panorama Coisa de Cinema

Postado por soteropolis

Jards, documentário de Eryk Rocha, filho do icônico cineasta baiano Glauber Rocha, é uma ode à criação do compositor, cantor, violinista e arranjador carioca Jards Macalé.

A película exibida durante a 8ª edição do Panorama Internacional Coisa de Cinema investiga o processo criativo do artista. O longa-metragem não traz depoimentos, sequer do próprio homenageado. Todo o filme se debruça sobre o imaginário criativo e os processos que inspiram e ordenam o ato de criação do mestre Macalé.

São mais de sessenta minutos de puro deleite e delírio criativo. O autor de canções de sucesso como Vapor Barato, marcada na voz de Gal Costa na década de 1970 e que ganhou novas regravações na década de noventa, é ainda um artista pouco conhecido do grande público, embora as suas composições façam parte do panteão da música popular brasileira.

O documentário Jards é uma oportunidade para apreciar o trabalho do compositor. Quem tiver interesse em conhecer a obra de Jards Macalé para além do processo criativo, há também outro documentário, este mais narrativo e recheado de entrevistas, dirigido pelo cineasta Marco Abujamra e intitulado Jards Macalé, um morcego na porta principal.

Seja mergulhando no universo poético de Eryk ou na leitura linear de Marcos, o importante é descobrir um pouco mais deste que é considerado um dos maiores nomes da nossa música popular brasileira.

nov
1

Barroquinha Fashion Week

Postado por soteropolis

Por Vania Dias

Eu e Ricardo “pegamos” uma aposta! Decidimos com pouca grana achar uma composição interessante pra provar que moda é a gente quem faz com o que temos! Convidamos a nossa produtora de moda, Rafaela Rodomack pra nos ajudar e arriscamos um look simples, despojado e casual na linha “sorvete em um final de tarde!

Moda cara é para os fracos. A gente curte mesmo é se vestir com estilo sem gastar mundos e fundos! Este visual “pra frentex”, você vê na 5a. feira, dia 01 de novembro. O nosso soterópolis vai ao ar sempre às quintas-feiras, às 21horas e reprisa, domingo, às 17h (uma hora a menos este período em função do horário de verão). A gente se encontra lá!!!

Foto: Alex de Oliveira

Foto: Alex de Oliveira

Governo da Bahia  ©2017 | IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia. Secretaria da Educação do Estado da Bahia.