IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia
TV Rádio Notícias Interatividade

Histórico para categoria ‘Cidade’

ago
6

Grafiteiros fazem intercâmbio entre capitais do nordeste

Postado por soteropolis

Por Denise Dias

Em Salvador, os muros do aquidabã ganharam mais cores e desenhos. Através do projeto Grande Área, grafiteiros de Salvador (Samuca Santos e Tárcio Vasconcelos) se juntaram a colegas do Ceará (Robézio e Tereza do Grupo Acidum) e de Pernambuco (Derlon Almeida) para interveções nas ruas da capital baiana, entre os dias 7 e 12 de julho. A ideia é promover intercâmbio e troca de experiências.

As ações do projeto se estenderam por outras cinco capitais, envolvendo diferentes linguagens das artes visuais contemporâneas, como intervenções urbanas, projeções em grande escala, performances, videoarte e grafite. Belo Horizonte, Brasília, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo foram as capitais contempladas.

 RTEmagicC_grafite_3_01.jpg

RTEmagicC_grafite_2_01.jpg

RTEmagicC_grafite_5_txdam215277_d7c6ba.jpg

jul
30

Do Solar para toda a cidade

Postado por soteropolis

Por Carol Garcia

O que parecia um simples convite a um coletivo de artistas acabou transformando o cotidiano dos moradores da comunidade do Solar, no centro de Salvador.  Assim foi a chegada do Museu de Street Art Salvador, que tem expandido suas ações para outras partes da cidade, motivado pela feliz interação com os moradores do local. Ao contrário do que a sobriedade do nome “Museu” aparenta, o MUSAS, como é chamado, é um projeto que consiste uma casa aberta à divulgação da arte visual, realização de oficinas e ações culturais diversas.

A partir do convite do mestre de capoeira Tico Sant’ana, os meninos do Coletivo Nova 10Ordem – Julio Costa, Bigod Silva e Marcos Prisk – conheceram a comunidade e ali instalaram residência. O grafitte do coletivo logo coloriu as casas do Solar, dando um charme à mais no lugar que já era privilegiado pela vista da Baía de Todos os Santos. Dona Suzana, moradora do local, é testemunha da presença marcante do Coleticvo. Avisados de que era uma das boas cozinheiras dali, eles lhe pediram que fornecesse almoço, e disso surgiu o Ré-Restaurante, comandado por ela. Vovó, outra figura local, endossa o argumento da vizinha e diz que MUSAS é uma das coisas mais lindas que aconteceu no Solar, “dos tempos” que ela mora ali. E não são poucos os artistas baianos, brasileiros e de outros países já visitaram o MUSAS. Essa movimentação, segundo as moradoras, só trouxe benefícios até então. “Mostrou que aqui é um lugar de bem”, afirma Vovó.

safe_image

O MUSAS funciona de modo colaborativo. O maior entrave é conseguir o material, que tem custo elevado. Mas isso não desmotiva os artistas. A mobilização se estende pelo site do grupo, pelo facebook e pelo movimento que eles chamam de “Polinização”. Bigod Silva explica: “O Musas não é só essa casa, e o que acontece aqui, e não queremos que ninguém pense que parece uma espécie de ONG. A gente quer mostrar que tá interessado em cultura e por isso a gente tá nessa fase de fazer ações em outros bairros, com outros artistas”. Um exemplo dessas ações é o Muda Gamboa, em parceria com a comunidade vizinha, o Projeto Que ladeira é Essa, executado na Ladeira da Preguiça e a Ocupação Cidade de Plástico, que realiza atividades culturais em Periperi.

Conheça mais sobre o trabalho do MUSAS:

http://www.ilovemusas.com/

https://www.facebook.com/ilovemusas

 

abr
25

Gratidão e celebração

Postado por soteropolis

Por Ticiana Schindler

“Por que de amor para entender
É preciso amar”

E como ele, só louco!

O poeta das águas, do vento e dos coqueirais de Itapuã, Dorival Caymmi, completa 100 anos de história na vida de muitos e principalmente, na música brasileira, alcançando seu lugar, também, internacionalmente. Para celebrar e homenagear o músico, a cidade de Salvador borbulha eventos de diversas vertentes artísticas.
Não fique de fora dessa comemoração, veja a programação que se estende até o final de 2014.

O centro da programação comemorativa que integra o projeto “Caymmi! De Itapuã para o Mundo…”, não poderia ser outro além de Itapuã, o bairro mais cantado por Caymmi. Lá, acontecerá a realização de ações na Casa da Música, na sede do Malê de Balê, na Praça Dorival Caymmi, no Abaeté e pelas ruas do bairro. Porém, a programação alcança outros espaços da capital e do interior do estado.

Entre os destaques da programação, que abrange shows, cortejos, exposições, palestras e bate-papo musicado, estão: a abertura da exposição Aquarela Caymmi, do artista Mauritano, na Casa da Música, no próximo dia 28, às 18h. A exposição circulará também pelos espaços da SecultBA na capital (Alagados e Plataforma) e no interior (Feira de Santana e Alagoinhas), entre agosto e dezembro. O Viva o Abaeté Especial Caymmi, com Morenas de Itapuã e Velha Guarda de Itapuã, será realizado, também, na Casa da Música, dia 29, às 18h, além de circular em outras instituições entre os meses de maio e julho.

No dia 30, data do centenário, a programação do bairro começa pala manhã com uma série de atividades. Às 14h30, haverá o Lançamento do Selo comemorativo do centenário, dos Correios, na Casa da Música e, às 15h, ocorrerá a abertura da exposição Hoje e Sempre Dorival Caymmi, no Abaeté. O Cortejo Caymmi! De Itapuã para o Mundo…, terá como ponto de partida o Abaeté, às 16h e fará uma trajeto até a Praça Dorival Caymmi, onde acontecerá o espetáculo homônimo, com os artistas Aloísio Meneses, Cláudia Cunha, Firmino de Itapuã, Jussara Silveira, Orquestra de Pandeiros de Itapuã, Roberto Mendes e Saraiva. A festa continua com o show Malê Canta Caymmi, às 21h e Dia 1º de maio, às 16h, com os artistas locais Bambeia, Cultura Popular, Samba e Sede e Saraiva.

Ainda no dia 30, o Pelourinho recebe três shows do projeto Versando Caymmi – 100 Anos, nos largos do Centro Histórico. Silvinha Torres, Ângela Lopo e Robson Moraes apresentam sucessos de Caymmi e de seu filho Dori, no Largo Pedro Archanjo. A banda Soul Tambor, liderada por Lucas Di Fiori, comanda o show no Largo Tereza Batista e no Quincas Berro D´Água, a festa ganha sonoridade de MPB com a cantora Clau Andries, com participação de Mazo Guimarães. Os três shows começam às 21h e têm entrada gratuita.

Já o projeto Trocando Palavras acontece no Palacete das Artes, dia 26, às 16h, promovendo a troca e doações de obras literárias. O evento conta com participações de Alexandre Leão e do violonista Kito Matos, apresentando músicas de Dorival Caymmi.

No Teatro Castro Alves (TCA), neste domingo (27), às 11h, alunos da Escola de Dança da Fundação Cultural da Bahia farão uma homenagem a Caymmi com o espetáculo “A gente não quer só comida…”, cuja abertura contará com um cortejo que traz, no repertório, músicas de Caymmi interpretadas por Clécia Queiroz. No dia 11 de maio, às 10h, o Domingo no TCA traz o espetáculo de Claudia Cunha com participações especiais, cantando Caymmi.

A programação inclui também a exibição do filme “Mestre Caymmi da Bahia” (2006), de Delza Schaun, em dez espaços culturais da SecultBA na capital e no interior. O documentário traz entrevista feita com Caymmi no Rio de Janeiro, aos 92 anos, em que ele fala, entre outros assuntos, da carreira, dos momentos marcantes da vida e da saudade da Bahia.
O filme integra o projeto Terças na Tela do Circuito Popular de Cinema e Vídeo dos Espaços Culturais da SecultBA. As exibições, gratuitas, serão no dia 29 de abril. Os horários das sessões podem ser conferidos no blog dos Espaços Culturais da SecultBA.

Acontece na segunda-feira (29) o retorno da programação do Sarau da Câmara Municipal de Salvador. Nesse dia especial o Sarau abre a semana de comemorações ao centenário de Dorival Caymmi e lança o edital do Festival de Poesia Recitada da Câmara Municipal de Salvador. Sob a coordenação dos poetas Edgar Velame e Pareta Calderasch, o sarau conta com ampla programação e recital aberto no final. O evento acontece às 18h, no centro cultural da câmara de vereadores.
Em setembro, a Orquestra Rumpilezz fará um show com repertório composto por obras do homenageado que contará com participação dos alunos de música do Centro de Formação em Artes (CFA) da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB).

Oportunidades não faltam para homenagear um dos maiores protagonistas da música brasileira!

Há seis anos Dorival nos deixava com a sensação de que É doce morrer no mar, onde as ondas levam e as ondas trazem. Criou canções inspiradas pelos hábitos, costumes e tradições do povo baiano, como “Saudade de Bahia”, “Samba da minha Terra”, “Saudade de Itapuã”, “Marina” e “Maracangalha”.

Muito de si, deixou. Agora, desejamos que as águas levem toda a gratidão de um povo em que conquistou.

Abaixo, uma gravação feita pela TV Cultura, em 1972, quando Dorival Caymmi estava com 58 anos. Nela, ele canta algumas de suas canções e relembra momentos marcantes de sua vida desde a infância na Bahia.

mar
25

Caminhos de Salvador em tempos de 465 anos

Postado por soteropolis

por Edinaldo Junior

Fazer aniversário é sempre motivo para reflexão. Quando se trata de uma cidade, berço de uma nação, os caminhos se traçam para pensar o lugar a partir das transformações. Primeira capital do Brasil, Salvador chega aos 465 anos ainda adolescente, diante de cidades pelo mundo que chegam aos 800 anos, como é o caso de Paris. E pela fase de rebeldia que alcança, as mudanças não são poucas.

O Soterópolis aproveitou o aniversário da cidade que dá nome ao programa para convocar a reflexão dos nossos telespectadores: olhar para os caminhos já traçados, como eles mudaram, entender a sua história para, assim, poder olhar adiante. Carregados deste movimento de perceber o nosso entorno, ficou a questão: os soteropolitanos conhecem mesmo como se construiu a cidade e como foi se transformando ao que hoje conhecemos? Percebemos o que é próprio da nossa história nas construções que nos circundam? O que o concreto ali assentado nos diz sobre nós, baianos historicamente construídos?

A reflexão da nossa equipe preferiu mostrar a história pelo que é produzido pela cultura: nossa reportagem partiu do Museu Tempostal, que possui acervo riquíssimo de imagens de colecionadores em postal, fincado no Pelourinho, para mostrar o valor do registro documental deste formato para a construção da cidade e sua arquitetura. No Museu, a exposição ‘Pelos Caminhos de Salvador’ é a nossa carruagem: ela nos leva direto para a época de modernização da cidade, ainda no século XIX, onde o Comércio era porta de entrada da capital. As fotografias revelam a ocupação, seu funcionamento econômico, os bairros que se formaram ao redor dos centros comerciais, os prédios políticos que se modernizaram.

 

Rua Carlos Gomes - Foto: Acervo Museu Tempostal

 

Nos caminhos da cidade, que na exposição são expostos em 45 mil fotografias e postais fazem parte dos 40 anos de coleção do sergipano Antonio Marcelino de Nascimento (1929-2006), é possível ver que o centro da cidade ainda se mantinha próximo ao mar. A navegação é o meio de transporte, como suporte da logística e distribuição de materiais, concentrados na Baía de Todos os Santos. Ali mesmo, onde ainda se concentra o poder político da cidade, a Casa dos Governantes, hoje Palácio Rio Branco, e a Câmara dos Vereadores, expõem o lugar da política ao lado de onde se faz o dinheiro. O ordenamento da cidade se mantinha ali e dali partiu também a comunicação entre o centro e os bairros do entorno: o Elevador Lacerda surge para ligar a Cidade Alta e a Cidade Baixa, antes desenhadas por ladeiras, becos e vielas que ainda configuram o cenário nostálgico do Centro Histórico de Salvador. A Praça Castro Alves, construída somente em 1922, era o espaço social do Soteropolitano desde a época em que era o Largo do Teatro – pela localização do Teatro São João no local. O bonde inaugurou ali e, futuramente, o lugar tornar-se-ia palco de manifestações culturais e artísticas da terra, mas também lugar de socialização.

Aproveite o aniversário de cidade para dar uma volta por Salvador, apreciar o que já foi construído e contrastar com a ocupação da pós-modernidade. Ver como a economia e a política de antes ditavam sua construção e como as mudanças econômicas de hoje deslocaram o funcionamento de Salvador para centros urbanos edificados em grandes construções. Um exercício de reflexão que damos de presente para você comemorar junto com o lugar onde você vive.

 

EXPOSIÇÃO PELOS CAMINHOS DE SALVADOR

Onde: Museu Tempostal

Rua Gregório de Matos, 33, Pelourinho, Salvador

Quando: terça a sexta, das 12h às 18h. Sábados, domingos e feriados, das 12h às 17h

Quanto: Entrada franca

 

mar
25

Uma Homenagem do Soterópolis aos 465 anos de Salvador

Postado por soteropolis

por Zeca de Souza

No verão 2005/2006 a TVE Bahia veiculou em sua programação um videoclipe feito especialmente para a emissora. Recheado de belas imagens de Salvador, o vídeo foi escolhido para o quadro Baú desta edição do Soterópolis pela ocasião do aniversário da Cidade da Bahia.

Sob direção de Lázaro Faria e editado por Jefferson Cysneiros, o clipe ilustra a bela canção de um dos mais preciosos nomes da cultura brasileira: Mateus Aleluia, ex-Tincoãs. A interpretação fica a cargo da filha de Seu Mateus, Fabiana Aleluia.

Sem mais delongas, vejam o vídeo abaixo e tirem suas próprias conclusões. A cidade é linda ou não é?


 

Governo da Bahia  ©2017 | IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia. Secretaria da Educação do Estado da Bahia.