IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia
TV Rádio Notícias Interatividade
out
1

CINCO EXPOSIÇÕES ESTÃO EM CARTAZ EM SALVADOR ATRAVÉS DO EDITAL PORTAS ABERTAS PARA AS ARTES VISUAIS

Postado por soteropolis

Com objetivo de apoiar a difusão da produção de Artes Visuais da Bahia, bem como dinamizar e qualificar a ocupação de espaços culturais públicos, o edital Portas Abertas para as Artes Visuais, da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), entidade vinculada à Secretaria de Cultura do Governo do Estado (SecultBA), está promovendo, neste momento, cinco exposições em Salvador. Elas estão dentre as 14 selecionadas da edição 2013 do concurso, que contabilizou 74 propostas inscritas. São trabalhos de temática livre, que representam diferentes modalidades das artes visuais, todos com visitação gratuita.

O Espaço Xisto Bahia acolhe, até o dia 4 de outubro, a exposição Transgressões Corporais, da artista visual Jô Felix. Composta por representações do corpo humano, de cunho erótico, impressas em mídias diversas, e imagens corpóreas de sinalizações de trânsito e comunicação visual, a mostra é parte integrante da pesquisa realizada pela artista no Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Trata da criação de uma poética visual que tem como ponto de partida a análise e apropriação de signos e símbolos vistos no espaço urbano da capital baiana. Jô estabelece uma poética em que o corpo é visto como tema e questão, atribuindo um conceito de sedução em seu sentido paradoxal, com a produção de imagens de caráter erótico ressignificadas, transgressoras e irônicas, que reproduzem posições sexuais baseadas nas poses do Kama Sutra.

Já Clara Domingas, depois de passar vários anos longe do local onde nasceu e cresceu, o bairro de Itapuã, realiza a ocupação artística Nativa Relativa na região, até 15 de novembro. O trabalho foi iniciado em 2011 e busca uma convivência criativa e propositiva com a comunidade, tendo como ponto de partida o desejo de processar criativamente o retorno à “casa”, envolvendo de diferentes maneiras os “outros”. Estão espalhados 10 retratos em tamanho real em muros do espaço urbano e uma exposição está montada na Casa da Música, localizada na Lagoa do Abaeté. Os retratos são de indivíduos ou grupos de pessoas com os quais a artista se encontrou em seus trajetos pelo bairro. A exposição apresenta registros fotográficos, exibição de vídeo do processo de desenvolvimento, blocos de narrativas e uma pintura mural.

Espaços parceiros – Além dos espaços culturais da SecultBA na capital – Casa da Música, Centro Cultural Plataforma, Cine-Teatro Solar Boa Vista, Espaço Cultural Alagados e Espaço Xisto Bahia –, as exposições estão também em espaços privados que assinam como parceiros da realização.

O artista plástico Devarnier Hembadoom Apoema assina a exposição Alucydriver, na galeria do Theatro XVIII (Pelourinho), com curadoria de Nilma Magre, com visitação até 18 de outubro. A mostra é intitulada pelo trocadilho feito entre as palavras ‘alucinação’ e ‘direção’, numa exposição de artes integradas. São cerca de 20 obras e um CD homônimo de músicas autorais do próprio artista, além de pinturas, desenhos, fotografias, instalações, objetos e vídeos, que implicam na observação da natureza humana e suas respostas aos estímulos pertinentes à vida urbana contemporânea, no seu dia a dia nas grandes metrópoles.

A Galeria do Goethe-Institut/ICBA abriga duas exposições: Nós, da artista visual Ana Fraga, e Pendular, de Rogeria Maciel. Parte integrante da pesquisa realizada pelas artistas no mestrado de Artes Visuais em Processos Criativos da Universidade Federal da Bahia (UFBA), as mostras se unem em visitação que seguirá até 30 de outubro.

Nós, de Ana Fraga, surgiu da denominação regionalista “nós pelas costas”. De acordo com a nomeação, alguém “cheio de nós pelas costas” tende a ser uma pessoa cheia de manias, sistemático, metódico e que assume uma postura pouco acessível. Redefinindo esse conceito a partir da própria estranheza, do assombro daquilo que é desconstrução e vazio, a obra é integrada pelo ato compulsivo e diário de laçar a linha, formando um nó. O trabalho objetiva resumir uma investigação realizada pela artista, baseada nas experiências performáticas desenvolvidas em seu ateliê. Para isto, são utilizados mais de 200 mil metros de linha barbante na cor branca e 5 milhões de nós, que há um ano estão sendo construídos manualmente por ela e a comunidade, com os quais Ana vai preencher um espaço 12m². Durante a exposição, a artista estará sentada em uma cadeira, fazendo nós até que o último carretel de linha se acabe.

Já a exposição Pendular, de Rogeria Maciel, tem curadoria de Eriel Araújo e se dá a partir de cinco obras: Ciclo, feita por meio de apropriação de bulbos naturais de lírio, com aplicações de folhas de ouro e chumbo; Calibre 38, flores confeccionadas pelas internas de uma instituição carcerária, em retalhos de chumbo; Agudos, inspirada em pavios de candeeiros encontrados nas feiras livres de algumas cidades do interior do Brasil; Lâminas, uma série de gravuras sobre chumbo, que arrisca pensar os nossos próprios limites; e Recônditos, formas orgânicas feitas em fitas de chumbo, trançadas como em cestarias e que acomodam em seus interiores folhas e flores desidratadas. As obras pretendem resgatar a arte como experiência do sensível e buscam a delicadeza da transformação, as vivências cotidianas das sociedades e da natureza através de um olhar afetivo.

PORTAS ABERTAS PARA AS ARTES VISUAIS

Transgressões Corporais, de Jô Felix

Visitação: Até 4 de outubro, das 8h às 22h
Onde: Espaço Xisto Bahia (Rua General Labatut, Barris)
Alucydriver, de Devarnier Hembadoom Apoema
Visitação: Até 18 de outubro, de segunda a sábado, das 15h às 20h
Onde: Theatro XVIII (Rua Frei Vicente, 18, Pelourinho)
Apoio: Theatro XVIII

Nós, de Ana Fraga

Visitação: Até 30 de outubro, de segunda a sexta, 9h às 18h30; sábados, 9h às 13h
Onde: Galeria do Goethe-Institut/ICBA (Av. Sete de Setembro, 1809, Corredor da Vitória)
Apoio: Goethe-Institut/ICBA

Pendular, de Rogeria Maciel

Visitação: Até 30 de outubro, de segunda a sexta, 9h às 18h30; sábados, 9h às 13h
Onde: Galeria do Goethe-Institut/ICBA (Av. Sete de Setembro, 1809, Corredor da Vitória)
Apoio: Goethe-Institut/ICBA

Nativa Relativa, de Clara Domingas

Visitação: Até 15 de novembro, de terça a sábado, das 9h às 17h; domingos, das 9h às 12h e das 13h às 16h

Onde: Casa da Música (Lagoa de Abaeté – Itapuã)

 

Quanto: Grátis

 

Fonte: Divulgação

Fonte: Divulgação

set
30

TEATRO NOS PARQUES CHEGA A SALVADOR EM OUTUBRO

Postado por soteropolis

Com o apoio da CCR Metrô Bahia, via Lei de Incentivo a Cultura, o projeto Teatro nos Parques chega a Salvador para 12 apresentações a serem realizadas de 11 a 25 de outubro. Os espetáculos gratuitos acontecerão em locais de fácil acesso à população, como o Parque Dique do Tororó, Largo Campo da Pólvora e Parque Metropolitano de Pituaçu, sempre em dois horários – às 11h e às 15h. O projeto Teatro nos Parques é realizado pela Cooperativa Paulista de Teatro, que este ano completa 35 anos. Começou em 2009 como um projeto de formação de público e como iniciativa de promoção e descentralização do teatro. Este ano, o Teatro nos Parques se torna o maior circuito de Teatro de Rua do país, com uma edição nacional em seis capitais brasileiras: Salvador, Brasília, Curitiba, Belo Horizonte, Rio de Janeiroe São Paulo. São 98 apresentações de 38 grupos teatrais.

 

Fonte: Reprodução

Fonte: Divulgação

 

Confira a programação Teatro nos Parques em Salvador – 11 a 25 de outubro de 2014

 

Dia 11

A Farsa da Grande Fortuna - Núcleo Criaturas Cênicas (BA)

Na história, o Criador detecta que a órbita está alterada, que alguma coisa vai mal, identifica que o problema é a Terra, então resolve ir para lá para verificar se ainda tem   alguma chance de voltar a ter uma vida saudável. Inspirado no relatório Reconsiderar a Riqueza do filósofo francês Patrick Viveret.

Teatro de Rua. Duração: 60 min.

11h e 15h

Parque Dique do Tororó

 

Dia 12

Mãos à Obra- La Cascata Cia. Cômica (SP)

Os palhaços Mané e Zacarias são dois pedreiros que em meio a confusões, disputas e trapalhadas construirão o mais novo condomínio: o Garden Golden TowersBoulevard Shopping Business &Residence. Mãos à Obra é uma comedia sobre o ofício da arte do palhaço e   as vertentes do universo circense.

Comédia. 60 min.

11h e 15h

Parque Dique do Tororó

 

Dia 15

Auto do Casal Lusitano Maria & Manuel – Algazarra Teatral (SP)

O espetáculo retrata a história do casal, Maria e Manuel, que chegaram e, convivendo com os “brasucas”, descobrem que há imensas diferenças lingüísticas entre Brasil e Portugal. Sempre com humor contam que adoram os “brasucas”, mas pensam que o jeito de falar é imensamente estranho. Uma comédia que alia diversão, educação e presta uma homenagem a língua, a Gil Vicente e ao povo português.

Comédia. 60 min.

11h e 15h

Largo do Campo da Pólvora

 

Dia 18

Remendo Remendó – A Outra Cia de Teatro (BA)

Numa pequena cidade do interior, chamada Remendo Remendó, o prefeito organiza um festival de contadores de histórias. Ele reúne, então, as melhores mentes da região: suas filhas, a extrovertida Pórcia e o intelectual Corisco, o sábio cego Firmino e o divertido Alexandre, que se desdobram contando suas melhores histórias numa disputa pelo prêmio

Infanto-Juvenil. 55 min.

11h e 15h

Parque Metropolitano de Pituaçu

 

Dia 19

Bonecos, Ritmos & Músicas – Cia. Bonecos Urbanos (SP)

Conta as aventuras de Clarisvaldo Pescador, contador de causos na metrópole. Recém chegado do interior e impressionado com a  cidade e sua vida pulsante, ele é surpreendido com o ritmo acelerado de seus curiosos e divertidos habitantes. O espetáculo é totalmente musical e interativo.

Teatro de Bonecos. 50 min.

11h e 15h

Parque Metropolitano de Pituaçu

 

Dia 25

Como a Gente Gosta – Grupo Maria Cutia de Teatro (MG)

Exilados pelo novo duque, Rosalinda e Orlando são obrigados a deixar a corte. Ela foge acompanhada por sua prima Célia e, para se protegerem dos perigos da floresta, Rosalinda se disfarça de homem. Na floresta, brinca com seu enamorado Orlando, fazendo-o imaginar que ela (travestida de homem) fosse de verdade sua amada e lhe dá lições de como se curar da febre do amor. Rosalinda, no meio deste quiproquó de amores, tece sua trama, numa peça como a gente gosta.

Comédia Musical. 60min.

11h e 15h

Parque Dique do Tororó

 

Grupo CCR patrocina esta primeira edição nacional do Teatro nos Parques apostando na motivação das pessoas em ocupar os parques, estimulando-as a pertencer a esses espaços públicos. A CCR é uma das maiores companhias de concessão de infraestrutura da América Latina, com operações nos segmentos de rodovias, mobilidade urbana, empresas de serviços e aeroportos. Desde 2004, conta com uma política de investimento social, com o objetivo de fomentar o desenvolvimento, disseminar a cultura nacional e promover iniciativas sociais, esportivas e ambientais nas regiões em que atua. Os recursos investidos pela CCR já possibilitaram o acesso à cultura e à educação de mais de 1,5 milhão de pessoas, apoiando mais de 120 projetos em mais de 100 cidades do País.

 

Sobre a CCR Metrô Bahia - A CCR Metrô Bahia é a concessionária responsável pela construção e operação do Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas. A concessão é uma Parceria Público-Privada (PPP), com investimentos na ordem de R$ 3,6 bilhões, da qual fazem parte o Grupo CCR, uma das maiores companhias de infraestrutura da América Latina e o Estado da Bahia.Por um período de 30 anos, até 2043, a PPP promoverá investimentos em construção de estações, aquisição de equipamentos, sistemas, adequação e revitalização de trens, manutenção e operação dos Terminais de Integração de Passageiros e das estações de metrô.O Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas será composto por duas linhas, com total de 32 km de extensão e 19 estações. Atualmente, a Linha 1 tem 7,5 km de extensão de um total de 11,5 km e oito estações. A Linha 2 terá 19,4 km e 11 estações. A conclusão está prevista para abril de 2017. O projeto prevê ainda a expansão da Linha 1, de Pirajá até Cajazeiras/Águas Claras e, da Linha 2, da Estação Aeroporto até o município de Lauro de Freitas.A Linha 1 do Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas, com as estações Lapa, Campo da Pólvora, Brotas e Acesso Norte, foi inaugurada em 11 de junho de 2014. Em 25 de agosto, entrou em operação a Estação Retiro, totalmente construída e implantada pela CCR Metrô Bahia. O metrô contribuirá de forma decisiva para a redução dos gargalos que dificultam a mobilidade da cidade e região metropolitana.

 

Fonte: Divulgação

Fonte: Divulgação

 

Para mais informações, acesse: www.teatronosparques.com.br

 

 

set
29

FESTIVAL XISTINHO CHEGA À TERCEIRA EDIÇÃO COM NOVIDADES PARA TODA A FAMÍLIA

Postado por soteropolis
Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

Outubro, mês das crianças, já é conhecido também como mês do Festival Xistinho – Arte, Brincadeira e Traquinagem. Em sua terceira edição, o evento, que acontece no Espaço Xisto Bahia, oferece uma programação ainda mais rica, trazendo dança e música além dos já tradicionais espetáculos de teatro. O projeto tem como principal objetivo o desenvolvimento de atividades de fruição, formação e reflexão para crianças de 01 a 12 anos de Salvador e região metropolitana, e em 2014 abrange também as famílias baianas, com atrações para pessoas de todas as idades compartilharem.

As ações envolvem instituições de ensino, profissionais de educação, famílias e e artistas de diversas áreas, a fim de fortalecer o sentimento de cidadania, auto-estima e pertencimento do público participante. Durante o Festival, os dias de semana à tarde são reservados aos espetáculos teatrais para crianças de instituições cadastradas, enquanto as noites e os finais de semana oferecem uma programação voltada para os demais espectadores, inclusive adultos, em sessões populares de teatro, dança e música. As já atividades lúdico-recreativas continuam diversificadas, com contações de histórias, brincadeiras e ateliês de desenho sempre antes dos espetáculos aos sábados e domingos.

“A programação do Festival Xistinho é pensada de modo a reforçar a arte como ferramenta de desenvolvimento humano e de uma cidadania cultural plena. Há também um consistente trabalho de mobilização de pessoas de realidades diferentes, a fim de fortalecer o teatro como espaço de convivência de sujeitos diversos”, avalia Isabela Silveira, coordenadora do Espaço Xisto Bahia e idealizadora do projeto. Nesta edição, o Festival traz como novidade a integração com ações do projeto TCA Núcleo, através da iniciativa TCA Irradia, com apresentação do espetáculo “O Auto do Boi da Cara Preta”, do Teatro Popular de Ilhéus. Outra novidade é a estreia de dois espetáculos e uma reestreia na programação. “O Que Conta é o Faz-de-Conta”(Cia Cabriola de Teatro) e “Para o Menino Bolha” (com direção de Paula Lice) realizam suas primeiras apresentações no palco do Xisto, enquanto “Larissa e seus Amigos Mágicos” (Trupe Nossos Trecos) retorna aos palcos em nova versão.

De acordo com Isabela, todos os espetáculos são escolhidos de modo a respeitar as etapas do desenvolvimento cognitivo de cada faixa etária da Infância, dividindo-se semanalmente em espetáculos para a 1ª infância (01 a 06 anos) e sessões para a 2ª infância (07 a 12 anos). “Pensamos sempre na criança como um indivíduo à parte do adulto e que, mesmo estando em formação, merece ter sua subjetividade respeitada e ser estimulada em sua diversidade”, acrescenta. As crianças participarão ainda de momentos de contação de histórias, ateliê de desenho, brincadeiras, jogos, entre outras atividades de integração e convivência.

A abertura do Festival Xistinho acontece no dia primeiro de outubro, às 9h30 horas, com a apresentação gratuita do espetáculo “Auto do Boi da Cara Preta”. As sessões mediadas acontecem gratuitamente às quartas, quintas e sextas, enquanto a programação aberta ao público em geral acontece aos sábados (16h) e domingos (11h e 16h). Nas noites de sexta, sábado e domingo são reservadas às Sessões Família, com apresentações de música, dança ou teatro adulto, com ingressos populares.

Às terças-feiras é a hora de refletir sobre a relevância das Culturas da Infância na formação dos indivíduos de nossa sociedade. Ao longo de 02 encontros, artistas, educadores, pesquisadores e crianças de instituições convidadas participarão de debates com temas variados como Direito ao Brincar, Adultização e Ludicidade, sempre integrando debate teórico com apresentações de espetáculos infanto-juvenis ligados ao tema tratado. Os debates são abertos ao público e acontecem nos dias 07 e 21/10 de 14h às 17h.

Ao todo, serão 35 apresentações, divididas entre os espetáculos “Auto do Boi da Cara Preta”, “Judite quer Chorar mas Não Consegue”, “Larissa e seus Amigos Mágicos”, “O que Conta é o Faz-de-Conta”, “Vira Lona, Lona Vira”, “Areia”, “Para o Menino Bolha” e “Vous Doux”, além dos shows de Tiganá Santana e das sessões para a família de “Muito Barulho por Quase Nada”. Os ingressos para as atividades dos finais de semana poderão ser adquiridos com antecedência na bilheteria do Espaço Xisto Bahia. Os preços variam entre R$10 e R$ 30, com a possibilidade da aquisição do passaporte família e condições especiais para integrantes do programa Xisto Amigo e moradores dos Barris.

A edição de 2014 também traz a Formação em mediação cultural para educadores, ministrada por Jeferson Albuquerque. O curso tem o mesmo formato de 2013, mas a carga horária passou a ser de 12 horas totais. São 15 vagas, e as aulas são aos sábados de manhã (04, 11, 18 e 25 de outubro, no Xisto, de 9h às 12h). As inscrições são feitas no site do Xisto até 28 de setembro.

O Festival Xistinho 2014 integra o Circuito de Festivais da Diretoria de Espaços Culturais da SECULT. Desde o primeiro semestre deste ano passou por 10 Espaços Culturais da SecultBA, em 6 cidades diferentes, incluindo cidades no interior do Estado além de Salvador e região metropolitana da capital. “O objetivo de se fazer uma programação tão intensa, com atividades dos mais variados tipos, em tantos lugares diferentes e com intervalos tão curtos entre uma e outra é a possibilidade de poder valorizar e dinamizar os centros, agitar as cidades e comunidades do seu entrono e valorizar a grande diversidade cultural da Bahia”, enfatiza Chicco Assis. Diretor de Espaços Culturais da SecultBA. Um aspecto importante nessa iniciativa é a contratação de atrações a partir do processo de Credenciamento de Artistas, Bandas e Grupos promovido pela DEC neste ano. Mais de 259 artistas de Música, Teatro, Circo, Dança, Manifestações Populares e Infantis foram selecionadas para ter a prioridade na contratação dos eventos realizados pela diretoria.

A edição 2014 do Festival Xistinho – Arte, Brincadeira e Traquinagem pretende atingir uma média de 6 mil pessoas, entre artistas, mobilizadores, profissionais de educação, famílias e, principalmente, as crianças. Aproximadamente 4 mil crianças passarão pelo processo direto de mediação cultural através da parceria com escolas e instituições de ensino públicas e privadas. Para Isabela, além de todas as novidades e as ações que firmaram o Xistinho na cena cultural da cidade, pode-se esperar muita diversão na terceira edição do evento: “Esperem do Xistinho a mesma qualidade de sempre: espetáculos de linguagens, estéticas e temáticas ainda mais diversas e muita, muita traquinagem!”

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

Fonte: Comunicação Xisto Bahia

set
29

O CINEMA DE ANIMAÇÃO JAPONÊS

Postado por soteropolis

Por Zeca Forehead

Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução

Muita gente aqui no Brasil ao ouvir falar em “animação japonesa” prontamente pensa nos cartoons do oriente que fizeram aquele sucesso estrondoso por aqui, como Cavaleiros do Zodíaco, Dragonball Z e Astroboy. Mas se você procurar saber um bocadinho, vai ver que a coisa não é tão simples assim – o cinema de animação produzido no Japão tem exemplos magníficos e exuberantes.

Com qualidade técnica apurada e trabalhos de pesquisa mais profundos do que se consegue perceber na primeira assistida a cada filme, os cineastas japoneses do gênero emplacam verdadeiras obras de arte em suas cinematografias. A simplicidade (técnica e narrativa) dos animês (cartoons japoneses produzidos para a televisão) dá lugar a lindas imagens com efeitos difíceis de acreditar que foram realizados sem o auxílio de um computador – a exemplo do modo como Hayao Miyazaki ilustra a água corrente em Meu Amigo Totoro.

Nos anos 80 muitos pais desinformados viram o VHS de Akira (de KatsuhiroOtomo) nas videlocadoras e alugaram para seus filhos só porque era um filme de animação. Violência extrema e uma trama complexa num mundo futurista fizeram o filme ser rejeitado por muita gente por aqui, mas se trata uma das pedras fundamentais da animação japonesa e referência para artistas do mundo inteiro até hoje.

A riqueza visual e narrativa do cinema de animação japonês pelas mãos de grandes mestres do gênero foi a razão da mostra “O Universo de Miyazaki / Otomo / Kon” que levou o público a comparecer aos dias da extensa programação da Caixa Cultural em Salvador. 18 longas-metragens foram exibidos (alguns inéditos nas telas brasileiras), cercados de debates e oficinas.

O refinamento na produção e o descompromisso com as regras da indústria constroem o terreno ideal para a realização de uma cinematografia de grande valor artístico. O exemplo maior, e responsável pela difusão do cinema de animação japonês no ocidente nos anos 2000 foi o já clássico A Viagem de Chihiro (Hayao Miyazaki). O filme foi distribuído pela Disney (que espertamente identificou o potencial do longa) e ganhou o Oscar® de melhor longa de animação, além de superar Titanic (James Cameron) no Japão no posto de maior bilheteria.

Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução

Nós do Soterópolis recomendamos que você preste atenção na cinematografia de animação japonesa e se divirta e se emocione com os grandes filmes produzidos na terra do sol nascente.

set
26

AGENDA CULTURAL – 26/09

Postado por soteropolis

set
25

O TEATRO DE ILHÉUS E CONQUISTA NOS PALCOS DA SOTERÓPOLIS

Postado por soteropolis

Por Carolina Garcia

Dois grupos de teatro, um nascido em Ilhéus e o outro em Vitória da Conquista, ocuparam os palcos de salvador recentemente para mostrar o que a arte regional anda produzindo. O Soterópolis conversou com eles e pôde assegurar: tem sim, muito teatro bom rolando em toda a Bahia.

O pessoal do Teatro Popular de Ilhéus (TPI) foi selecionado para participar do projeto Núcleo.TCA 2014, e parte do grupo fica até dezembro na capital em residência. A outra parte permanece em terras grapiúnas tocando a tenda de circo que funciona como sede, bem na orla da cidade. É lá que saem muitos projetos, oficinas e atividades que resultam não só em espetáculos, mas em ações culturais que percorrem toda a região. “A gente ouvia muito as pessoas perguntarem porquê as peças entravam em cartaz, saiam e não voltavam mais. Daí que em 1995, decidimos criar não só um grupo de teatro, mas um movimento cultural que tinha como objetivo dialogar com as comunidades. Continuamos a ser esse movimento e isso do ponto de vista político nos dá uma base muito forte, permitiu que criássemos uma estrutura que nos permite trabalhar e levar a arte sempre”, explica Romualdo Lisboa, diretor do Grupo. É tanto que eles nem se consideram como grupo “do interior”, como explica o produtor Elson Rosário. “A gente nem gosta dessa expressão porque ela não faz sentido porque a gente está sempre transitando pelo Estado todo. É uma forma de mostrar que somos resistência cultural”.

O Grupo Finos Trapos, nascido em Conquista há onze anos, trilhou um caminho diferente. Por conta da faculdade e em busca de novas experiências, eles decidiram se instalar em Salvador, mas sentem falta das produções na terra natal. “Não há muitas pesquisas sobre isso mas o teatro de grupo no interior baiano é muito forte”, explica a atriz Polis Nunes, uma das fundadoras. Mesmo com as dificuldades, ela acredita que a paixão pelo teatro é que mantém o grupo em atividade, e com gás para tocar também projetos além palco. Este ano por exemplo, eles lançaram o livro “Oficinão Finos Trapos”, que traça um mapa da pedagogia do teatro baiano a partir da experiência em algumas cidades. Para saber como adquirir o livro, entre em contato com o Grupo pelo Facebook.

Acompanhe também as atividades deles pela Bahia nas páginas:

grupofinostrapos.blogspot.com.br

teatropopulardeilheus.blogspot.com.br

Com o pessoal do TPI nós já conversamos antes e registramos aqui no blog: http://www.irdeb.ba.gov.br/soteropolis/?p=7421

 

 

set
25

PONTO G NO MÊS DA DIVERSIDADE SEXUAL

Postado por soteropolis

Por Carolina Garcia

Desde 2004, quando o Grupo Gay da Bahia decidiu mudar a realização da Parada Gay de Salvador para o mês de setembro, este se tornou um mês temático, propício e aberto para todo o tipo de evento que envolva a temática LGBT. Originalmente, a Parada era em junho, seguindo o calendário norte-americano das comemorações pelo Dia do Orgulho Gay (28/06). Mas o mês do frio e das festas juninas não ajudava e setembro vingou. Entre os eventos que rolaram em Salvador este mês tivemos o “Setembro é Gayboa”, promovido pelo Teatro Gamboa; O UFA – universidade fora do armário, realizado na UFBA pelo Coletivo Kiu! e a Mostra Possíveis Sexualidades. A Parada Gay, carro chefe das celebrações, aconteceu no dia 21 de setembro como parte da programação da Semana da Diversidade, que rolou entre os dias 18 e 24 de setembro e trouxe palestras, shows e performances em diferentes pontos da cidade. Setembro também foi o mês escolhido pela equipe do Centro de Promoção e Defesa dos Direitos LGBT para marcar sua inauguração.

O nosso colunista Eugênio Afonso conversou com realizadores e envolvidos nesses eventos e questionou o pessoal sobre o impacto de se ter um mês temático. Todos concordaram que o efeito é positivo, pois abre espaço não só para o entretenimento, mas que outros eventos promovam o debate e a discussão de tópicos políticos e sociais que envolvem a cultura LGBT. Mas com a ressalva de que ainda é um desafio envolver todo mundo em todas as atividades: enquanto o ator Fernando Irisujhi levanta que o público gay não prestigia muito as peças e musicais gays, Keyla Simpson, Coordenadora do Centro de Promoção fala que o público hetero vai pouco à Parada Gay porque eles também sofrem preconceito por darem apoio ao público LGBT. Entre eles um consenso: é importante que setembro seja um marco, mas que em todos os meses haja espaço para celebrar a diversidade!

Setembro já está no fim. Se você não foi a nenhum desses eventos, ainda dá tempo de prestigiaras programações do Teatro Gamboa e da Mostra Possíveis Sexualidades. Tudo no site dos eventos:

teatrogamboanova.com.br

possiveissexualidades.com.br

set
25

CINEMA E MIGRAÇÃO

Postado por soteropolis

Por Marina Montenegro

A migração é um tema muito presente na sociedade contemporânea e significa movimento e deslocamento para outro lugar. O cinema tem se voltado cada vez mais para os processos migratórios, seja em forma de documentário ou de ficção. Mas qual a importância da representação da migração no cinema contemporâneo?

A migração ocorre desde os primórdios da humanidade. O ato de migrar pressupõe um descontentamento com o local de origem. No Brasil é muito comum percebermos a migração de nordestinos para estados do sul e sudeste do país em busca de melhores condições de vida.

Dos anos 2000 até hoje existe uma quantidade enorme de filmes que abordam o tema da migração. Podemos citar Terra Estrangeira (1996), de Walter Salles, que aborda a questão da migração portuguesa para o Brasil; Era uma vez em Nova York (2013), de James Grey, sobre a chegada dos imigrantes do leste europeu aos Estados Unidos; e Praia do Futuro (2014), de Karim Ainouz, sobre a migração por motivos pessoais, no caso um relacionamento amoroso.

Um filme sobre os processos migratórios pode variar em seu formato. Além de documental e ficcional, o filme pode abordar tanto o percurso, a trajetória (que são chamados road movies) ou a adaptação ao novo local.

set
24

PERFIL TUTUCA

Postado por soteropolis

Por Silvana Moura

Foto: Hans Herold

Foto: Hans Herold

O candomblé é uma religião cheia de cores, sabores e música.
Todos os rituais são marcados pelos toques dos atabaques e cânticos.
No Ilê Axé Opô Afonjá, uma das casas de culto mais importantes do Brasil, Egbomi Tutuca, Oya Toki, é a responsável pelos cantos sagrados.
Ela também é a mais antiga filha de Yansã da casa, foi iniciada por Ondina Pimentel, Mãezinha.
O quadro perfil desta semana destaca as histórias de Tutuca.

*Egbomi: irmã ou irmão mais velho

set
24

OS ALBERGUES (OU HOSTELS) E AS INOVAÇÕES DO MERCADO HOTELEIRO

Postado por soteropolis

Por Zeca Forehead

Nunca se viajou tanto. Em tempos de melhores preços e da praticidade em se comprar passagens via internet, os hábitos de viagem do brasileiro aos poucos se adaptam a uma nova realidade (mais barata), daí a importância dos albergues ou hostels, que oferecem um tipo de serviço muito popular na Europa mas ainda em crescimento no Brasil – e muito mais em conta que hotéis ou pousadas.

Nos hostels (ou albergues, mas vamos chamar de hostels daqui por diante neste texto para sermos práticos) os dormitórios são compartilhados e cada hóspede recebe um armário individual com tranca para guardar seus pertences (semelhante aos armários de acompanhantes de pacientes numa enfermaria coletiva de hospital); mas a filosofia de convívio e troca de experiências é o que os estabelecimentos do gênero tentam agregar ao valor da estadia.

A idéia de conhecer gente nova é muito atraente para alguns, mas uma boa parcela da clientela ainda prefere a individualidade e o luxo dos quartos de hotel, mesmo pagando caro. Para reverter esse quadro, os hostels investem em inovações diversas, que vão de design e decoração a programas de associados de clubes dentro do estabelecimento (viabilizando o contato entre turistas e habitantes da cidade – o que aumenta o fluxo de troca de informações).

Foto: Reprodução/Bahia Prime Hostel

Foto: Reprodução/Bahia Prime Hostel

Em Salvador temos ótimas opções no segmento, seguem abaixo algumas dicas:
Bahia Prime Hostel
O Bahia Prime Hostel fica na Alameda Antunes, 56, Barra, Salvador-BA e oferece aos hóspedes dicas de roteiro cultural pela cidade.
bahiaprimehostel.com

Foto: Reprodução/Albergue das Laranjeiras

Foto: Reprodução/Albergue das Laranjeiras

Albergue das Laranjeiras
O Albergue das Laranjeiras fica na rua das Laranjeiras s/n, Pelourinho, Salvador-BA e possui programação diversificada que vai da música à gastronomia.
laranjeirashostel.com.br

F Design Hostel
Todos os quartos do F Design Hostel possuem decoração temática e ainda possui clube para não-hóspedes. O endereço é: Travessa Prudente de Moraes, 65, Rio Vermelho, Salvador-BA
fdesignsalvador.com.br

Governo da Bahia  ©2014 | IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia. SECOM - Secretaria de Comunicação Social