IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia
TV Rádio Notícias Interatividade

Posts marcados com ‘Jaime Sodré’

jan
6

Juliana Ribeiro desfila para Yosh no Mercado Iaô

Postado por DjBranco

Juliana RibeiroA cantora participará do desfile do artista visual Yosh que acontece no próximo domingo (08.01), às 15h30, no Galpão de Ideias. O público terá entrada gratuita no evento até às 13h00.

O artista plástico, cenógrafo e criado de moda YOSH promove desfile no próximo domingo (8.01), às 15h30, no Galpão de Ideais do Mercado Iaô. Na passarela, nomes como a cantora Juliana Ribeiro, a atriz Aline Nepomuceno, a cantora Gabriela Ferreira da Banda Alphazimu e a Tia Má (Maíra Azevedo).

(mais…)

out
28

Festa Literária Internacional de Cachoeira – Flica 2014

Postado por DjBranco
FLICA
Pelo quarto ano, Cachoeira vai respirar literatura. Durante cinco dias, de 29/10 a 02/11, a Festa Literária Internacional de Cachoeira – FLICA, um dos principais eventos literários do país, promove mesas especiais, debates, lançamentos de livros e programação musical.

Entre os nomes confirmados, estão o filósofo lituano Leonidas Donskis e o dramaturgo romeno Matéi Visniec. Sob coordenação de Marcus Ferreira, Emmanoel Mirdad e Aurélio Schommer. O evento, nesta edição, presta uma homenagem especial a Mãe Stella de Oxóssi, com mediação de Jaime Sodré. O escritor João Ubaldo Ribeiro, que participaria da festa, também será celebrado e lembrado com a mesa especial Viva João Ubaldo Ribeiro.

(mais…)

mai
22

Hip Hop e a Rima Denuncia

Postado por DjBranco

Jaime Sodré

Estávamos em Blacktude na Biblioteca Infantil Monteiro Lobato, cedida pela dinâmica Maria Roseane, a diretora, para reflexões adultas em um ambiente infantil. A mesa era composta por Nelson Maca, excelente na Literatura Negra, GOG-Genival Oliveira Gonçalves, excepcional Rap, e Albino Rubim, Secretário de Cultura, democrata, aliado.

Os primeiros reivindicavam e havia para mim um clima de déjà vú ao contemplar o chapéu, no estilo dos velhos sambistas, ostentado por GOG, em contraste com a cabeleira de Maca e a escassez na cabeça de Rubim, careca de saber. Estavam para cobrar, o Rap tem esta função. Assim como faziam os bambas de ontem, de forma melódica denunciando a exclusão: “Ai barracão pendurado no morro e pedindo socorro a cidade a seus pés.”, nada mudou? O que se nota é a eterna luta. A arma melódica de hoje é o Rap, “Mas esteja convencido: Quem fere com ferro, é serio, Um dia com ferro será ferido”, recita GOG no seu livro A rima denuncia. Mudou-se a trilha sonora, mas a realidade parece persistente. O Rap e o Hip Hop, (Afrika Bambaataa foi o primeiro a utilizar este termo), são bem aventuradas expressões políticas, artísticas e rebeldes de forte sabor juvenil onde o SCRCRAAANTSHHH é o deslizar da agulha no velho vinil.

Destaco na cena baiana o magistral DJ Branco, da Evolução Hip Hop, na Rádio Educadora, mas que história é esta? Rap significa Rhythm and Poetry, ou seja, Ritmo e Poesia. De singular melodia, caracterizada por suas letras recitadas, onde a comunidade periférica, em especial a negra, o “gueto”, expõe suas questões. Para alguns tem como berço a Jamaica dos anos 60, com os seusSound Systems e bailes com os seus “tagarelas”, MC’s, que “cronificavam” a violência nas favelas de Kingston, aspetos políticos, sexo e drogas. Deslocaram-se para os Estados Unidos na década de 70 em função da situação de crise.

(mais…)

out
31

CESE aprofunda debate sobre questão racial em oficina de formação

Postado por DjBranco

Jaime Sodré é o convidado desta edição para falar sobre as religiões de matriz africana

Jaime Sodré
Jaime Sodré

A Coordenadoria Ecumênica de Serviço dá sequência a suas oficinas de formação interna e aprofunda o debate sobre questão racial. Para isso, convida o professor e historiador da cultura negra, Jaime Sodré, que no último dia 25/10 (segunda-feira) visitou a CESE para discutir intolerância religiosa e falar sobre a história e o papel da resistência dos terreiros de candomblé.

Com apresentação bem humorada, regada a casos e crônicas, professor Jaime foi aos poucos costurando sua apresentação, que enfatizou aspectos sobre a pluralidade cultural africana.  Essa diversidade, trazida para o Brasil nos navios negreiros, contemplava práticas religiosas diversas. O respeito à diversidade é um aspecto fundamental nas religiões de matriz africana.  Ou, como explicita o professor, das religiões de matrizes africanas, ressaltando mais uma vez a sua diversidade.

(mais…)

Governo da Bahia  ©2019 | IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia. Secretaria da Educação do Estado da Bahia.