IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia
TV Rádio Notícias Interatividade

V Latinidades – Festival da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha

De 23 a 29 de julho, a quinta edição do Latinidades, com realização da Griô Produções e da Ossos do Ofício, promove ações afirmativas no sentido de dar visibilidade e voz à mulher negra.

O Latinidades promove debates, feira, shows, intervenções culturais, lançamentos literários, oficinas, exibição de documentário, seminário e rodas de conversa sobre o tema Juventude Negra, foco desta quinta edição do Festival, que, desde 2008, traz temas como machismo, racismo e a superação de desigualdades, com recorte de gênero e raça, sempre acompanhado de uma programação cultural gratuita.

O Festival da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha propõe uma programação rica e diversificada, a cada edição anual, construída a partir da necessidade de reparação do prejuízo histórico vivido pelas mulheres negras. Neste sentido, em 2012, o tema será Juventude Negra, por ser a principal vítima da violência urbana. “No Brasil, os dados que nos levaram a realização do Latinidades sob esse tema são impactantes. A juventude negra encabeça a lista dos desempregados e dos que têm maior defasagem escolar.” Justifica Jaqueline Fernandes, coordenadora geral.

Nosso país conta com cerca de 11,5 milhões de jovens negros entre 18 e 24 anos de idade, o que representa 6,6% da população. A taxa de analfabetismo é de 5,8%. Em média, os jovens negros têm dois anos a menos de estudo do que os brancos da mesma faixa etária: 7,5 anos e 9,4 anos, respectivamente. A comparação das taxas de escolarização é um indicador de como o sistema educacional brasileiro ainda tem muito o que fazer para combater as desigualdades raciais: a proporção de crianças no ensino fundamental é de 92,7% para negros e de 95% para brancos; no entanto, somente 4,4% dos negros, de 18 a 24 anos, chegam ao ensino superior; entre os brancos, esse percentual é de 16,6%*.

A equação perversa de diversos fatores tais como racismo, pobreza, discriminação institucional e impunidade, contribui para a falência do sistema de segurança e justiça em relação à população negra. Essa relação não é fruto do acaso: distorções como a “presunção de culpabilidade” em relação aos negros resulta em ações que promovem a eliminação pura e simples dos suspeitos, violando os direitos humanos e constitucionais desses jovens. Ações que de tão recorrentes e banalizadas denunciam um processo silencioso de eliminação desse grupo da população.*

*Do artigo Juventude negra e exclusão radical, de Maria Aparecida Bento e Nathalie Beghin.

“Realizar o Festival da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha, para nós, significa refletir o lugar da mulher afro-descendente no Brasil e os desafios da luta contra a pobreza e o racismo, aumentando, assim, as possibilidades de dar visibilidade as mulheres negras da América Latina e Caribe.” Comenta Jaqueline.

Ações realizadas durante o Festival:

Shows:
Complexo Cultural da República, no ponto de encontro do Festival de Teatro Cena Contemporânea:
25/7, a partir das  20h:
Cabelaço | Bloco Afro Ilê Aiyê | Paula Lima | Cris Sobral (DF) | Sistema Criolina

Cabelaço é uma ação político-cultural, promovida pelo coletivo Pretas Candangas, que agrega samba de roda, intervenção poética, com Cris Sobral, demonstração de tranças afro e confecção de turbantes.

O dia 25 de julho, desde 1992, foi instituído como o Dia Internacional da Mulher Afro Latino Americana e Caribenha. Nesta data foi realizado o I Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-caribenhas, em Santo Domingos, na República Dominicana. É um dia para ampliar parcerias, dar visibilidade à luta, às ações, promoção, valorização e debate sobre identidade negra em todo o continente. Latinidades vem reafirmar a importância de dar visibilidade ao 25 de julho como marco de lutas em todo o continente.

26/7, a partir das 21h:
Calango Pensante – batalha de rimas (DF) |  GOG |  Sistema Criolina

Dia para lançamento do décimo disco do GOG – Iso 9000 do Gueto. Será no palco do ponto de encontro do Cena Contemporânea, que GOG vai estrear seu mais novo show, com a apresentação de danças afro-contemporâneas, intervenções audiovisual e capoeira. A noite começa com a “Batalha de Rimas”, comandada pelo MC Ahoto Skrew, como temas a África e a América Latina, a igualdade racial e a cultura afro. Para esquentar e instigar a criatividade dos MC’s, um júri vai escolher o mestre que melhor trouxer rimas improvisadas.

27/7, a partir das 21h:
Puerto Candelaria (Colômbia) | Sistema Criolina

Puerto Candelaria, criador de novos ritmos através do encontro entre Cumbia Underground e o Jazz, é o grupo que incluiu a Colômbia no mercado mundial do Jazz, da música experimental e da World Music. Atualmente, Puerto Candelaria traz à cena musical da de seu país de origem, uma proposta musical mais desafiadora, controversa e inovadora dos últimos tempos. A banda tem como base de sua sonoridade os ritmos populares, recriando propostas inovadoras cheias de imaginação, provocando os sentimentos e suscitando as emoções de seu público por onde passa.

28/7, a partir das 14h:
Feira Preta | Gaby Amarantos (PA) | Sistema Criolina

Feira Preta, criada em São Paulo, é hoje um dos maiores eventos de cultura negra do país. Em Brasília, o Latinidades promove uma feira com 20 stands de roupas, artesanato, bijuterias e muito mais, reforçando empreendimentos étnicos.

Gaby Amarantos, nascida e criada na periferia de Belém, canta desde seus 15 anos de idade influenciada por cantoras como Clara Nunes, Ella Fitzgerald e Billie Holiday e pelos bregas Francis Dalva e Reginaldo Rossi, mas deixa claro que a sua maior influência está no bairro em que nasceu, onde tudo toca ao mesmo tempo. Deu início a sua carreira solo em 2010 e logo foi corada como a rainha do tecnobrega. Gaby está entre as 100 pessoas mais influentes do ano de 2011, pela Revista Época. Novidades, fotos, biografia e download de músicas no site oficial www.gabyamarantos.com

29/7, a partir das 17h:
Quarteto Marakamundi (DF) | Ellen Oléria (DF) | Yusa (Cuba)

A música instrumental do Quarteto Marakamundi tem como proposta apresentar a riqueza da reunindo bossa nova, samba, rumba e o montuno, associada ao improviso do jazz. O quarteto já tem 13 anos de estrada.

Yusa, uma artista cubana que renova a música latino-americana no mundo com traços das canções tradicionais de trova. A musicista representa a nova onda de músicos da ilha caribenha de Cuba, que condensa a tradição de seu país com a música de todo o resto do mundo. Guitarrista desde os seis anos, Yusa tem graduação em guitarra clássica. Desde 2001 ela excursiona pela Europa e Ásia e esta será sua primeira vez no Brasil.

Seminário – Com a realização de oito mesas, duas oficinas e três rodas de conversa sobre temas relacionados à Juventude Negra, trazendo dados de toda a América Latina à mesa. O Seminário vai acontecer nas Regiões Administrativas do Itapuã, Paranoá, Varjão, no Presídio Feminino Colméia e na Universidade de Brasília.

Ao final desta série de ações, todas as falar comporão um publicação, com o propósito de construir um documento com os posicionamentos de mulheres negras, artistas, políticas, pesquisadoras, membras de entidades e movimentos, que compuseram as mesas do Seminário. Publicação que será distribuída às entidades em sintonia com os temas, em toda América Latina.

Os temas do seminário incluem políticas públicas, emprego e renda, saúde, identidade e comunicação, orientação sexual e racismos. Ao final, todos os participantes do Seminário receberão uma declaração com a carga horária cumprida e os temas discutidos.

23/7 às 16hPolíticas Públicas para a Juventude Negra
24/7 às 10hEducação
24/7 às 14hEmprego e Renda
24/7 às 16hSaúde da População Negra
25/4 às 10hCultura
25/4 às 14hGenocídio da juventude afro-latina
25/5 às 16hNovas perspectivas para a militância feminista e os rumos do feminismo negro na América Latina
26/7 às 10hIdentidade e comunicação
26/7 às 14hOrientação sexual e identidade de gênero
27/7 às 16hRacismo Ambiental na América Latina

O Seminário acontece no Auditório da Biblioteca Nacional, com 90 vagas para cada tema discutido. Para se inscrever basta enviar e-mail, informando a mesa de interesse, para latinidades2012@grioproducoes.mus.br. Mais informações: www.afrolatinas.com.br/novo

Intervenções Urbanas – Intervenções artísticas sobre identidade negra, em áreas públicas, como na Rodoviária do Plano-piloto, em estações de metrô e na Praça do Complexo Cultural da República, com a apresentação de músicos e artistas plásticos, tanto de Brasília quanto de outros Estados e também uma convidada internacional.

Lançamento de obras literárias Publicações que trazem temas políticos e culturais acerca da rica e vasta cultura negra, produzidos no Brasil e no exterior. Dando mais visibilidade mais oportunidade a autoras e autores negros da América Latina e Caribe, como forma de disseminar conhecimento sobre ações afirmativas e políticas de reparação, bem como a cultura e a religião.  Entre os autores convidados estão Cris Sobral, Renata Felinto e Cidinha Silva.

Setembro
Presídio Feminino Colméia – Região Administrativa do Gama – DF
Oficina de Comunicação | Roda de conversa: Lei Maria da Penha | Palestra Saúde Integral da Mulher | Rádio Afrolatina
Cidade Estrutural – DF
Palestra Saúde Integral da Mulher | Roda de Conversa Racismo Ambiental | Rádio Afrolatina

Outubro
Varjão, Paranoá e Itapuã – DF
Rodas de conversa com debate e apresentação do documentário Afrobrasilienses

“Acreditamos que ao final do Festival, nós teremos conseguido dar mais voz e mais visibilidade à mulher negra. Com a circulação de artistas, geração empregos, mesmo que temporários, o intercâmbio e interação entre negras e não-negras, capacitação pessoas e elevando a auto-estima destas lindas mulheres americanas e caribenhas.” Afirma Jaqueline Fernandes. E acrescenta: “Só reforçando que, com a realização do Latinidades nos esperamos chegar a mais de 30.000 mil pessoas em toda América Latina e Caribe.”

Contato para entrevistas:
Jaqueline Fernandes – Coordenação Geral
e-mail: grioproducoes@gmail.com
Celular: 61- 7814 2907

 

Tags: , , , , ,

3 Comentários para “V Latinidades – Festival da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha”

  1. […] Fonte: http://www.irdeb.ba.gov.br/evolucaohiphop/?p=5897 Compartilhar:EmailTwitterFacebookGostar disso:GosteiSeja o primeiro a gostar disso. de → Fique Sabendo, Homenagem, Sociologia ← CAPITAL BAIANA SEDIA IMPORTANTES ENCONTROS NA ÁREA DO ENSINO DE QUÍMICA Ainda sem comentários […]

  2. deri xavier disse:

    moro em camaçari região metropolitana de salvador,e não vejo nenhuma ação afirmativa e como posso contribuir para melhorar no minimo em meu bairro onde sou presidente ou melhor estou presidente e não quero continuar perdendo meus irmãos para o trafico pois aqui é muito forte,tenho progetos de inclusão do jovem no mercado de trabalho porém para conseguir funcionar precisamos muito do governo municipal que parece ou finge não vê,pois bém preciso de muita ajuda companheiros…

  3. Gegê disse:

    Um grande momento onde as nossas companheiras negras poderão traçar um novo caminho rumo a nossa libertação

Deixe um comentário

 
Governo da Bahia  ©2017 | IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia. Secretaria da Educação do Estado da Bahia.