IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia
TV Rádio Notícias Interatividade

Cabaré da Rrrrraça no Amostrão do Teatro Vila Velha

Dentro da programação do Amostrão Vila Verão 2012, o Bando de Teatro Olodum apresenta todas as sextas feiras, a partir de 13 de janeiro até 10 de fevereiro, às 20 horas, um dos seus maiores sucessos, Cabaré da RRRRRaça. A estréia de Cabaré no amostrão acontece no próximo dia 13/01 e contará com a participação da atriz Denise Correia no papel da Mc Nega lua.

O espetáculo é uma revista musical que aborda o preconceito racial com muito humor, dança e música. Dirigida por Márcio Meirelles, a peça levanta discussões bem humoradas sobre negritude, racismo e a participação do negro no mercado de consumo, por meio de personagens que já caíram no gosto popular, como Patrocinado, Rose Marie, a cantora Flávia Karine e o Super Negão.


A peça trata de um assunto básico para a sociedade brasileira, mas difícil: o que é ser negro neste país? Combatendo a política do branqueamento, chegando às ações afirmativas e às cotas raciais, o Bando discute tudo isso com inteligência, humor, música e dança. “Boa noite, resistência, e boa noite, brancos. Este é um espetáculo, didático, panfletário e interativo”, avisa o consciente personagem Wensley, criado por Lázaro Ramos e atualmente interpretado por Sergio Laurentino, sendo a deixa para o início de uma sucessão de cenas cotidianas que colocam em cheque a nossa suposta ‘cordialidade racial’.

Catorze anos depois da sua estréia, Cabaré da Rrrrraça, que começou no espaço do Cabaré dos Novos, permanece atual e se renova, ganhou dimensões de um grande musical no palco principal com músicas ao vivo, criadas pelo diretor musical Jarbas Bittencourt, coreografadas por Zebrinha e continua atraindo  centenas de espectadores.

Interprete da personagem “Flávia Karine” desde a criação de Cabaré, Auristela Sá entende que, apesar da pouca e sutil mudança no espetáculo, ele ainda se faz necessário. “É uma pena que a gente ainda sinta a necessidade e importância de apresentá-lo, que a gente ainda escute os depoimentos com exemplos de racismo”, diz.

De acordo com Chica Carelli, Cabaré surgiu em um momento de crise. “O elenco estava cansado de ser mal interpretado, de ouvir coisas negativas e, principalmente, com a falta de dinheiro e de apoio. Conversamos muito e então surgiu a vontade de fazer algo diferente do que vínhamos fazendo”, conta a co-diretora do espetáculo.

Cabaré da Rrrrraça mudou a estética dos espetáculos do Bando e também mudou a postura dos atores perante a sociedade. “Hoje eu sinto uma mudança muito forte nos atores. A gente sempre saía depois das apresentações e continuava discutindo o assunto. Acho que essa mudança também é vista no público que assiste ao espetáculo”, afirma Auristela.

Parte importante do espetáculo, os depoimentos dados pelo público ao longo da apresentação, trazem o que é dito pelos atores a uma esfera pessoal e próxima de cada um. “Cabaré já foi apresentado em diversas cidades do Brasil e também em Portugal e Angola e os depoimentos são “iguais”, o que acontece aqui, acontece lá também. Lembro de um depoimento de uma moça no Rio de Janeiro que contou que uma professora da PUC entrou na sala, olhou pra ela e disse: ‘Nossa, como a PUC baixou o nível’”, relata.

Outro destaque do espetáculo são os figurinos especiais usados pelos personagens em cena. Eles são assinados por um grande time de estilistas baianos. Nssa temporada o Bando vai se apresentar com o figurino preto.

Bando de Teatro Olodum – História
Há 20 anos, nascia em Salvador uma das mais poderosas propostas de ação afirmativa na área cultural. Marcio Meirelles e Chica Carelli, criaram com o apoio institucional do Olodum, um grupo de teatro com um elenco exclusivamente negro, encenando espetáculos com este olhar diferenciado e discutindo questões que interessam à comunidade negra brasileira. A certeza da força daquela escolha e da verdade que levavam para o palco fez com que diretores e atores enfrentassem a resistência de uma sociedade nada aberta a discutir temas como a desigualdade racial, o racismo e as práticas preconceituosas cotidianas camufladas pela suposta ‘democracia racial’. Assim o Bando de Teatro Olodum é a mais consolidada companhia teatral do atual cenário baiano, referência nacional de teatro contemporâneo. Desde 1994 desligado do Olodum, o Bando hoje é um dos poucos grupos a manter um corpo estável, com elenco, diretores e técnicos, a buscar sustentabilidade e a desenvolver uma linguagem própria e contemporânea, fruto da experiência, do trabalho coletivo e de uma consciência do seu papel na sociedade brasileira.

Ficha Técnica:
Elenco: Amauri Oliveira – Patrocinado / Auristela Sá – Flávia Karine / Cássia Valle – Marilda Refly /Denise Correia – Nega Lua /Elane  Nascimento – Dandara / Fábio Santana – Nego Fudido e percussão / Gerimías Mendes – Seu Gereba /  / Jamile Alves – Negaça e percussão / Jorge  Washington – Taíde / Leno  Sacramento – Edmilson/Edileuza / Merry Batista – Dra Janaína / Rejane  Maia – Rosemary / Ridsom Reis – Brogojô e percussão / Sérgio  Laurentino – Wensley de Jesus /Valdinéia  Soriano – Jaqueline

Texto: Márcio Meirelles com a colaboração do Bando de Teatro Olodum / Direção: Márcio Meirelles / Co – Direção e Direção de Produção: Chica Carelli / Coreografia: Zebrinha / Direção Musical e gravação de play back: Jarbas Bittencourt / Desenho de som: Maurício Roque / Montagem de som: Equipe técnica do Teatro Vila Velha / Operação de som: Ednaldo Muniz / Gravação do play back: Estúdio do Vila / Iluminação: Rivaldo Rio / Montagem e operação de luz: Equipe técnica do Teatro Vila Velha / Espaço cênico e conceito de figurino: Marcio Meirelles / Produção de Figurino: Valdineia Soriano / Maquiagem e Cabelo: Luiz Santana

Apoiam o figurino com suas criações: Iuri Sarmento e Eduardo Rosa: Dandara / Mônica Anjos: Taíde e Rosemary / Elementais: Negaça e Nega Lua / Márcia Ganem: Nega Lua / Luciana Galeão: Jaqueline / Wládia Góes e Flávia Botelho: Flávia Karine / Goya Lopes: Dra Janána / Fagner Bispo: Patrocinado / Néa Santana: Brogojô / Saraí Santos: Nego Fudido e Wensley / Levite Bahia: Edileuza / Vestir Arte: Marilda

Contatos:
Auristela Sá – (71) 3083-4620 – 4619

Cabaré da Rrrrraça
Sextas às 20h
R$ 30,00 (inteira) 15,00 (meia)
Sala Principal do Teatro Vila Velha
Janeiro e fevereiro

Serviços:
Bilheteria: Segunda a sexta das 14 às 18h quando tem espetáculo. Nos finais de semana 2h antes do espetáculo. A carteira de estudante deve ser apresentada no ato da compra.

Reserva de ingresso: 71 3083-4600Acessibilidade: O Teatro Vila Velha conta com rampa de acesso e espaços reservados para pessoas com dificuldade de locomoção.

Estacionamento: O Passeio Público conta com um amplo espaço para estacionamento. Acesso pelo Largo dos Aflitos ou, em dias de espetáculo, pela Avenida Sete de Setembro.

Solicitação de pauta: pauta@teatrovilavelha.com.br

Informações à imprensa:
Cinara Pereira / Heide Costa
Núcleo de Comunicação
(71) 3083-4610/ 4616
comunicacao@teatrovilavelha.com.br

 

Tags: , , ,

Deixe um comentário

 
Governo da Bahia  ©2019 | IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia. Secretaria da Educação do Estado da Bahia.