IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia
TV Rádio Notícias Interatividade

20 anos de “Sobrevivendo no Inferno”! Artistas lembram obra do Racionais MC’s: “A voz de todos”

Sobrevivendo no InfernoDo Virgula
Por Itaici Brunetti

Em dezembro de 1997 o Brasil sofria um dos maiores impactos sonoros até então. Uma porrada bem dada no estômago e nos ouvidos do sistema que mudou o rumo da música nacional: o lançamento de Sobrevivendo no Inferno, dos Racionais MC’s. O álbum, quinto de estúdio da carreira do grupo paulistano, é considerado um clássico e completa 20 anos este mês. As batidas de KL Jay e as vozes ásperas de Mano Brown,Ice Blue e Edi Rock abriram as portas para o rap nacional entrar no mainstream, nem que fosse à força e contra a vontade das grandes e poderosas mídias. Depois disso o gênero, que é o som das ruas e sempre foi marginalizado pela sociedade, fincou raiz na música popular brasileira.

Na época, o rap brasuca já era ouvido em massa através de Gabriel, O Pensador, mas o carioca não conversava diretamente com a população da periferia. Não os representava. Já os ‘quatro pretos mais perigosos do Brasil’, como posteriormente foram apelidados, sim. Com Sobrevivendo no Inferno, o Racionais MC’s juntava ódio, frustração e dor ao falar dos problemas das periferias brasileiras e da luta diária dos subúrbios, fazendo um paralelo da realidade nua, crua e sanguinária com textos bíblicos. Intenso é a palavra. Detalhe: o álbum vendeu mais de cem mil cópias só no primeiro mês e atingiu a marca de um milhão e quinhentas mil cópias tempos depois. Segundo detalhe: foi lançado por uma gravadora independente, a Cosa Nostra.

O pé no peito foi dado com a música Diário de um Detento e seu clipe gravado dentro da Casa de Detenção que circulava na MTV, chegando a permanecer no Top 10 da emissora por um bom tempo. Virou hino não só da classe baixa, mas também da média e da alta. Era comum ver playboys com seus carrões nas ruas ouvindo a música em alto e bom som e cantando as rimas, mesmo que aquelas frases não representassem suas realidades. De um jeito ou de outro, de repente todos queriam ser Brown. Até hoje não há quem não saiba a letra de cor, de cabo a rabo, assim como acontece com Eduardo e Mônica e Faroeste Caboclo, da Legião Urbana.

O trabalho impactou geral: de artistas da vanguarda aos que estavam por vir. A cantora Elza Soares, por exemplo, contou ao Virgula que adora Racionais e principalmente o Sobrevivendo no Inferno“Sou apaixonada pelos caras e por este álbum. É de arrepiar! Destaco a música ‘Jorge da Capadócia’ [releitura do clássico de Jorge Ben Jor] que tem um arranjo que me emociona até hoje. A outra que curto muito é ‘Capitulo 4, Versículo 3′, que possui uma letra muito forte e atual”.

Leia a matéria completa no site http://www.virgula.com.br/musica/20-anos-de-sobrevivendo-no-inferno-artistas-lembram-obra-do-racionais-mcs-a-voz-de-todos/#img=1&galleryId=100605

Tags: , , , , , , , , ,

Deixe um comentário

 
Governo da Bahia  ©2019 | IRDEB - Instituto de Radiodifusão Educativa da Bahia. Secretaria da Educação do Estado da Bahia.